Líder do Senado dos EUA vê chance para fim de impasse fiscal

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Democrata Harry Reid se disse 'otimista' após rodada de negociações com líder republicano do Senado

As negociações no Senado dos EUA para acabar com a crise fiscal mostraram sinais de progresso no domingo (13), mas ainda não há garantias de que a paralisação do governo federal está perto de um fim ou que o calote da dívida será evitado.

Conheça a nova home do Último Segundo

AP
Líder da maioria no Senado dos EUA, Harry Reid, pega o elevador após uma sessão do Senado no Capitólio, em Washington (13/10)

O otimismo de sexta-feira de que um acordo seria alcançado no fim de semana desapareceu já no sábado, e as negociações saíram da Câmara dos Deputados para o Senado.

EUA: Senado lidera esforços para resolver impasse do orçamento

12 de outubro: Fracassa acordo para resolver crise fiscal no Congresso dos EUA

O líder da maioria no Senado, Harry Reid, e o líder dos republicanos na Casa, Mitch McConnell, fizeram uma rodada de negociações classificadas por Reid como "substanciais".

O senador democrata não deu detalhes, mas o comentário alimentou esperanças de que o Congresso conseguirá aprovar um projeto de lei para financiar o governo, que está paralisado desde 1º de outubro, e elevar a capacidade de financiamento.

Diante de impasse: Atrações turísticas reabrem apesar da paralisação do governo

"Estou otimista sobre as perspectivas para uma conclusão positiva ao tema", afirmou Reid.

Mais cedo no domingo, McConnell emitiu um comunicado pedindo que os democratas apoiassem uma iniciativa bipartidária para acabar com a paralisação e elevar o teto da dívida.

Quinta: Boehner defende elevação de curto prazo do teto da dívida dos EUA

Jornal: Obama rejeita oferta dos republicanos para encerrar paralisação

Estão previstas sessões no Senado e na Câmara nesta segunda-feira (14), apesar do feriado de Columbus Day.

Qualquer acordo no Senado terá de ser votado também pela Câmara dos Representantes, onde a maioria republicana tem sido bastante pressionada pelos conservadores a não fazer concessão ao presidente Barack Obama e ao Partido Democrata.

Entenda: Confronto no Congresso sobre teto da dívida ameaça Washington

Obama sobre impasse: 'Extorsão não pode fazer parte da democracia'

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional, Christine Lagarde, advertiu sobre uma "enorme turbulência" à economia global se o limite de endividamento dos EUA, que será atingido na quinta-feira, não for elevado. Essa é a data que o Tesouro norte-americano perde a autoridade para tomar recursos emprestados.

"Estaremos sob o risco de cair, novamente, em recessão", afirmou Lagarde em entrevista veiculada pelo programa "Meet the Press", da NBC.

Com Reuters

Leia tudo sobre: euasenadocapitólioparalisaçãodemocratasrepublicanosobamateto da dívida

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas