Fracassa acordo para resolver crise fiscal no Congresso dos EUA

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Para o democrata Harry Reid, líder da maioria no Senado, decisão com republicanos pode sair até segunda (14)

A esperança de se alcançar uma resolução para a crise fiscal dos Estados Unidos nos próximos dois dias caiu por terra neste sábado no Capitólio, depois que os esforços do presidente Barack Obama para chegar a um acordo com os republicanos da Câmara dos Representantes naufragaram.

Conheça a nova home do Último Segundo
Republicanos e Casa Branca não chegam a acordo, mas mudam tom 

O foco agora mudou para as ideias dos republicanos do Senado para reabrir o governo e elevar o teto da dívida da nação, que expira em 17 de outubro. "Eu acho que eles (Casa Branca) estão indo para o Senado agora", afirmou o republicano Harold Rogers, presidente do Comitê de Apropriações da Câmara.

Reuters
Presidente Obama durante encontro neste sábado com senadores democratas na Casa Branca

"Não há acordo, nem negociações acontecendo", afirmou o presidente da Câmara, John Boehner, em um encontro com republicanos da casa, de acordo com o congressista Richard Hudson.

A Casa Branca expressou reservas quanto ao plano de Boehner para extensão do teto de endividamento dos EUA apenas até 22 de novembro, além de outras demandas que exigirão uma série de negociações para avançar, tudo isso sob a ameaça de default e a paralisação do governo, já em andamento.

Quinta: Boehner defende elevação de curto prazo do teto da dívida dos EUA

Jornal: Obama rejeita oferta dos republicanos para encerrar paralisação

Enquanto isso, aparentemente há crescente interesse em um plano esboçado pela senadora republicana Susan Collins, que financiaria as operações do governo por mais seis meses no nível atual e estende o teto da dívida do Departamento do Tesouro até 31 de janeiro.

O líder da maioria no Senado, o democrata Harry Reid, disse hoje querer chegar a um acordo nas negociações com líderes republicanos até segunda-feira, embora as conversas estivessem em estágio bastante inicial.

Em entrevista a repórteres, Reid disse que gostaria de um acordo imediato para resolver a paralisação parcial do governo federal e elevar o teto da dívida dos EUA antes de quinta-feira, quando o Tesouro norte-americano estima entrar em default, caso o Congresso não tome uma atitude.

Entenda: Confronto no Congresso sobre teto da dívida ameaça Washington

Obama sobre impasse: 'Extorsão não pode fazer parte da democracia'

Se não houver ação do Congresso, os EUA podem entrar em default até quinta-feira, quando o Tesouro alerta que sua capacidade de emprestar vai se exaurir. Muitos membros da Câmara viajaram para seus colégios eleitorais após serem informados de que não haverá votações antes da noite de segunda-feira.

As novas complicações acabaram com o otimismo de que um acordo poderia ocorrer até este fim de semana. "Eu estava otimista ontem pela manhã", afirmou à Reuters neste sábado David French, lobista-chefe da Federação Nacional do Varejo. "Estou um pouco menos otimista hoje, assim como as pessoas com as quais conversei no Capitólio."

*com Reuters

Leia tudo sobre: euaobamaorçamentoparalisação

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas