EUA alcançam acordo parcial de segurança com o Afeganistão, diz Kerry

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Questão da imunidade das tropas americanas ainda teria que ser resolvida por assembleia de líderes e anciãos

O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, e o presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, disseram neste sábado (12) que as principais questões sobre um acordo bilateral de segurança foram resolvidas, mas a questão da imunidade das tropas americanas ainda teria que ser resolvida por uma assembleia de líderes e anciãos.

Conheça a nova home do Último Segundo

AP
Secretário de Estado dos EUA John Kerry faz uma ligação do palácio presidencial afegão em Cabul

O acordo pode ajudar a determinar, entre outras coisas, quantas tropas dos EUA vão permanecer no Afeganistão após 2014, quando está marcada a retirada da maioria das tropas estrangeiras. Oficiais norte-americanos disseram antes querer fechar um pacto até o final deste mês.

"Tentaremos ver se conseguimos progredir um pouco mais, o que estamos fazendo", afirmou Kerry a repórteres e funcionários da embaixada dos EUA.

Kerry: Secretário de Estado viaja ao Afeganistão para negociações urgentes

Saiba mais: Entenda por que o Afeganistão é estratégico

A maioria das tropas estrangeiras deve deixar o Afeganistão até o final de 2014 e, sem um acordo, os EUA podem retirar todas as suas forças em um resultado conhecido como "opção zero", algo impensável até poucos meses atrás.

O fracasso em conversas similares entre EUA e Iraque em 2011, causadas parcialmente pela recusa de Bagdá de providenciar imunidade aos soldados norte-americanos no país, levou os EUA a retirarem suas tropas da nação.

Guerras: Invasões e conflitos marcam história do Afeganistão

Em 2010: EUA apresentam plano para retirada do Afeganistão em 2014

A segurança afegã está se deteriorando, aumentando as preocupações sobre o futuro do país após a saída das tropas ocidentais. Neste sábado, um carro-bomba matou quatro pessoas na cidade de Jalalabad.

Os esforços para fazer o Taleban negociar não surtiram efeito. Os militantes dizem que vão lutar até que todas as forças estrangeiras deixem a nação e eles retirem Karzai do poder como "marionete" dos EUA.

Com Reuters

Leia tudo sobre: afeganistãokerrykarzaieuaretiradaguerra do afeganistão

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas