Saiba quem são os últimos 20 vencedores do Nobel da Paz

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

União Europeia, Barack Obama, Nelson Mandela, Yasser Arafat e Shimon Peres fazem parte da lista de ganhadores

As seis categorias do Prêmio Nobel foram criadas pelo industrial Alfred Nobel, inventor da dinamite, em 1901. O Nobel da Paz é o único cujo comitê de escolha tem sua base na Noruega, enquanto o das demais categorias - Física, Química, Economia, Medicina e Literatura - ficam na Suécia.

Conheça a nova página do Último Segundo

Anualmente entregue em Oslo, o Prêmio Nobel da Paz busca laurear aquele que realizou o maior feito pelo bom relacionamento ente as nações, pela redução da guerra ou pela promoção de tratados de paz.

Por causa das duas guerras mundiais, o prêmio não foi outorgado por 19 vezes. Em 25 ocasiões foi compartilhado e, em apenas um foi concedido a título póstumo ao sueco Däg Hammarskjold, que foi secretário-geral da ONU.

Além disso, foi rejeitado pelo vietnamita Le Duc Tho, que, ao ser nomeado em 1973, não tinha ainda conseguido a paz em seu país, o Vietnã do Norte. O prêmio é entregue em 10 de dezembro, aniversário da morte de Alfred Nobel, em cerimônia em Oslo.

O primeiro Nobel da Paz foi partilhado pelo francês Fréderic Passy, fundador da primeira organização francesa em favor da paz, e pelo suíço Jean Henry Dunant, promotor da Convenção de Genebra de 1864, que fundou a Cruz Vermelha.

Veja os últimos 20 ganhadores do Nobel da Paz:

2012: União Europeia

O bloco abalado pela crise econômica recebeu o prêmio com a credencial de ter pacificado um continente destruído pela Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Segundo decisão do comitê, a UE e as instituições que a precederam em sua formação "contribuíram durante mais de seis décadas para a paz e a reconciliação, a democracia e os direitos humanos". Saiba mais

BBC
Presidente da Comissão Europeia José Manuel Barroso (E) e o precidente do Conselho Europeu Herman Van Rompuy durante coletiva de imprensa após o anúncio do prêmio (12/10/2012)

2011: Ellen Johnson Sirleaf, Leymah Gbowee (Libéria) e Tawakkul Karman (Iêmen)

Três mulheres dividiram o prêmio: Ellen Johnson Sirleaf, a primeira mulher eleita presidenta na África, e a ativista Leymah Gbowee, também liberiana, reconhecidas pela atuação para mobilizar as mulheres liberianas contra a guerra civil no país; e a jornalista e ativista iemenita Tawakkul Karman, que participa ativamente da luta pelos direitos das mulheres e pela democracia no Iêmen. O comitê do Nobel justificou o prêmio como reconhecimento de "lutas não violentas pela segurança das mulheres e pelos direitos das mulheres de participar do trabalho de construção da paz". Saiba mais.

Reuters
Tawakul Karman, Leymah Gbowee e Ellen Johnson Sirleaf recebem o prêmio (10/12/2011)

2010: Liu Xiaobo (China)

Dissidente chinês, foi escolhido "por seu longo trabalho não violento em favor dos direitos humanos. Não pôde receber o prêmio porque cumpre uma sentença de 11 anos por "incitar a subversão ao poder do Estado", após assinar um manifesto em 2008 no qual defende uma reforma democrática. Saiba mais.

EFE
Liu Xiaobo, vencedor do Prêmio Nobel da Paz de 2010

2009: Barack Obama (EUA)

Presidente americano desde 2009, o democrata conquistou o prêmio por seus esforços para reduzir os estoques de armas nucleares

AP
O presidente dos EUA, Barack Obama

2008: Martti Ahtisaari (Finlândia)

O ex-líder finlandês (1994-2000) foi premiado pelo trabalho, em vários continentes e durante mais de três décadas, para resolver os conflitos internacionais

2007: Al Gore (EUA) e o painel da ONU sobre o clima

O ex-vice-presidente dos EUA (1993-2001) venceu o Nobel da Paz por seu trabalho de divulgação mundial das mudanças climáticas recentes, e dividiu o prêmio com o corpo do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas da Organização das Nações Unidas (IPCC)

Getty Images
Al Gore, vencedor do prêmio de 2007

2006: Muhammad Yunus (Bangladesh) e o Grameen Bank

Conhecido como o "o banqueiro dos pobres", o economista – e seu banco - foi homenageado por ser o grande mentor do microcrédito destinado aos desfavorecidos

2005: Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e seu diretor Mohamed ElBaradei (Egito)

O secretário-geral da agência venceu por seus esforços para evitar que a energia nuclear seja usada para fins militares e assegurar que a energia nuclear para fins pacíficos seja usada de maneira possível

AP
Mohamed ElBaradei, vencedor do prêmio de 2005

2004: Wangari Maathai (Quênia)

Fundadora do Movimento do Cinturão Verde, a queniana recebeu o prêmio por promover o desenvolvimento social, econômico e cultural ecologicamente viáveis na África

2003: Shirin Ebadi (Irã)

Primeira muçulmana a ganhar o Nobel da Paz, a advogada iraniana venceu pelos seus esforços em promover direitos humanos, em particular de mulheres e crianças

2002: Jimmy Carter (EUA)

O ex-presidente americano (1977-1981) foi homenageado por seus esforços em prol de uma solução pacífica para os conflitos internacionais e do desenvolvimento econômico e social

AFP
O ex-presidente dos EUA Jimmy Carter, vencedor do prêmio em 2002

2001: Organização das Nações Unidas (ONU) e seu secretário-geral Kofi Annan (Ghana)

Então secretário-geral das Nações Unidas, Kofi Annan (1997-2006) recebeu o prêmio por ter ajudado a acelerar o fim de conflitos mundiais

AP
Kofi Annan, vencedor em 2001

2000: Kim Dae-Jung (Coreia do Sul)

Na época à frente da Presidência sul-coreana, Kim Dae-Jung (1997-2003) foi vencedor do prêmio pelos seus esforços na reconciliação da península da Coreia

1999: Médicos Sem Fronteiras

A organização fundada por médicos franceses em 1971 recebeu o Nobel da Paz em reconhecimento ao trabalho humanitário em diversas partes do mundo

1998: John Hume e David Trimble (Irlanda do Norte)

O católico John Hume e o protestante David Trimble foram vencedores por lançarem uma proposta de acordo de paz na Irlanda do Norte

1997: Campanha Internacional para Eliminação das Minas Terrestres e sua fundadora Jody Williams (Estados Unidos)

Fundadora e coordenadora da Campanha Internacional para Eliminação das Minas Terrestres (ICBL), a americana especialista em Relações Internacionais recebeu o prêmio por sua luta no combate às minas terrestres

1996: Carlos Filipe Ximenes Belo e José Ramos-Horta (Timor Leste)

O atual presidente timorense José Ramos-Horta e o bispo Carlos Filipe Ximenes Belo receberam o prêmio pelo trabalho em prol de uma solução justa e pacífica para o conflito em Timor Leste

1995: Joseph Rotblat (Polônia) e seu fundador Conferências Pugwash sobre Ciência e Negócios Mundiais

Mais velho a receber o Nobel da Paz, o polonês foi homenageado aos 87 anos – juntamente com sua organização - por promover o desarmamento nuclear.

1994: Yasser Arafat (palestino), Shimon Peres (Israel), Yitzhak Rabin (Israel)

O Nobel da Paz de 1994 foi concedido a Yitzhak Rabin, primeiro-ministro de Israel (1974-1977 e 1992-1995); Shimon Peres, na época chanceler israelense do mesmo país; e Yasser Arafat (1994-2004), líder da Organização para a Libertação da Palestina (OLP) por concretizaram o histórico Acordo de Oslo, pela paz na região, em 1993

AFP
Em imagem de 28 de setembro de 1995, Rabin cumprimenta Arafat, observado pelo ex-presidente dos EUA Bill Clinton

1993: Nelson Mandela e Frederik Willem de Klerk (África do Sul)

Ativista e símbolo da luta pelo fim do apartheid, Nelson Mandela (que viria a ser presidente entre 1994-1999) foi solto da prisão pelo então presidente sul-africano Frederik Willem de Klerk (1989-1994), com quem dividiu o prêmio pelo fim dos conflitos raciais no país


Leia tudo sobre: nobel da paznobelprêmio nobel

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas