Brasileiro foi primeiro diretor de organização premiada com Nobel da Paz

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

José Bustani assumiu a direção da Opaq em 1997 e saiu após disputa com EUA um ano antes da guerra do Iraque

BBC

A Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ), que ganhou o prêmio Nobel da Paz deste ano, teve um brasileiro, o diplomata José Maurício Bustani, como seu primeiro diretor-geral.

Conheça a nova home do Último Segundo

AP
Guarda faz a segurança da entrada da sede da Organização para a Proibição de Armas Químicas (Opaq), em Haia, na Holanda

Bustani, atualmente embaixador em Paris, foi demitido da Opaq em um episódio polêmico em 2002, um ano antes da invasão dos EUA ao Iraque.

Natural de Porto Velho, Rondônia, Bustani assumiu a direção da Opaq em 1997, ano de criação da organização. Em 2000, foi reeleito por unanimidade e teve sua gestão elogiada pelo então secretário de Estado americano, Colin Powell.

Em 2013: Organização para a Proibição de Armas Químicas leva Nobel da Paz

Opaq: Saiba mais sobre a organização que venceu o Nobel da Paz

História: Saiba quem são os últimos 20 vencedores do Nobel da Paz

No entanto, um ano antes da invasão do Iraque, o brasileiro ficou no centro de uma disputa com os EUA que levou a sua demissão.

Bustani defendia a adesão do Iraque, então sob comando de Saddam Hussein, à organização como uma medida que abriria caminho para inspeções de armas no país. Mas os EUA disseram que as inspeções acabariam sendo lenientes demais.

Representantes dos EUA acusaram o brasileiro de má administração à frente da entidade. Mas especialistas defenderam a gestão de Bustani e acusaram os EUA de se opor à tentativa dele de ampliar o alcance da Opaq para incluir países como Iraque e Líbia, à época com regimes hostis ao governo americano.

Saiba mais sobre as armas químicas da Síria: Irã ajudou a produzir arsenal

Em entrevista à BBC Brasil em julho de 2002, meses após seu afastamento, Bustani acusou os EUA de promover um esvaziamento da entidade e de proteger os países ricos com grandes indústrias químicas, concentrando suas inspeções no Hemisfério Sul, onde as empresas químicas não são tão importantes.

Críticos de seu afastamento disseram na época que os EUA estariam insatisfeitos com as tentativas de Bustani de promover inspeções em instalações militares americanas com o mesmo rigor que as inspeções em outros países signatários da convenção internacional contra armas químicas.

Bustani chegou a recorrer à Organização Internacional do Trabalho (OIT) contra seu afastamento, considerado irregular pelo tribunal administrativo da entidade.

O diplomata brasileiro foi substituído pelo argentino Rogelio Pfirter, após o compromisso assumido pelos EUA de apoiarem um latino-americano para substituir Bustani.

Pfirter deixou o cargo em 2010, quando o atual diretor-geral da entidade, o turco Ahmet Üzümcü, assumiu o posto.

Síria

A Opaq está atualmente coordenando a destruição do arsenal de armas químicas da Síria. O comitê do Nobel justificou a escolha com base no "extensivo trabalho da entidade para eliminar armas químicas".

A agência, que tem base em Haia e é apoiada pela ONU, foi estabelecida para acompanhar a aplicação da convenção sobre armas químicas de 1997.

Ela recentemente enviou inspetores para acompanhar o desmantelamento do estoque de armas químicas da Síria. Um ataque com gás sarin em subúrbios de Damasco deixou centenas de mortos em agosto. O prêmio inclui 8 milhões de coroas suecas (cerca de R$ 2,7 milhões) em dinheiro.

Leia tudo sobre: nobelnobel da pazjosé bustaniopaqmundo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas