Brasil pede a Rússia rápida libertação de brasileira ativista do Greenpeace

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Ana Paula Maciel foi presa, com outros 29 ativistas, em 19 de setembro e denunciada pelo crime de pirataria

Reuters

O governo brasileiro está pedindo à Rússia uma rápida solução e a libertação da brasileira presa em território russo durante protesto do Greenpeace contra a indústria de petróleo no mês passado, disse nesta sexta-feira (11) o ministro de Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo. A bióloga Ana Paula Maciel foi presa, com outros 29 ativistas, em 19 de setembro e denunciada pelo crime de pirataria.

Brasil: Dilma manda Itamaraty atuar no caso da brasileira presa na Rússia

Conheça a home do Último Segundo

Leia mais: Rússia diz ter encontrado drogas em navio do Greenpeace

Para libertar ativistas: Diretor do Greenpeace se oferece como garantia

Divulgação /Greenpeace/Nick Cobbing
Brasileira Ana Paula Maciel está presa na Rússia

"Estou em contato com as autoridades russas para que haja uma solução o mais rapidamente possível. Estamos em cima dessa caso", disse ele a jornalistas em evento do Cebri (Centro Brasileiro de Relações Internacionais), no Rio de Janeiro.

O Brasil quer a libertação de Ana Paula e já deu garantia de que ela vai se apresentar às autoridades russas quando convocada para prestar depoimentos e esclarecimentos. "A gente quer que ela possa retornar e saia da prisão o mais rápido possível", destacou o ministro. "Demos como garantia ao governo russo dizendo que, se convocada, vai aos procedimentos judiciais. O importante é a libertação dela."

O chanceler evitou falar sobre as denúncias de que os Estados Unidos e o Canadá espionaram o Ministério de Minas e Energia do Brasil.

São Paulo: Greenpeace faz ato pela libertação de brasileira presa na Rússia

Rússia: Justiça acusa brasileira e outros quatro do Greenpeace de pirataria

Após protesto: Do Greenpeace, bióloga brasileira ficará presa por dois meses

Figueiredo defendeu a criação de um marco regulatório e de governança para a Internet e para as comunicações que preserve os direitos de privacidade de empresas, pessoas e governos. "Nesse contexto ganha mais urgência a governança na Internet", disse ele. "A nossa demanda e da presidente Dilma na ONU teve um impacto imediato e muitos colegas chanceleres falaram para mim que ela falou os que eles queriam ter dito", complementou.

Leia tudo sobre: greenpeaceana paula macielrússiabrasileira

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas