Jovem ativista Malala Yousafzai atacada por militantes por defender educação para mulheres conquistou Sakharov

Reuters

A jovem ativista paquistanesa Malala Yousafzai , atingida pelo Taleban com um tiro na cabeça no ano passado por defender melhores condições para as jovens, venceu o prêmio anual de direitos humanos da União Europeia na quinta-feira.

Conheça a nova home do Último Segundo

Malala Yousufzai lê um livro enquanto se recupera no hospital Queen Elizabeth, no Reino Unido (foto de arquivo)
AP
Malala Yousufzai lê um livro enquanto se recupera no hospital Queen Elizabeth, no Reino Unido (foto de arquivo)

Sakharov: Snowden é indicado a prêmio de direitos humanos

Malala, de 16 anos, venceu o ex-prestador de serviço de uma agência norte-americana de espionagem Edward Snowden , que vazou documentos secretos sobre programas dos EUA de monitoramento de informações.

A jovem paquistanesa foi atacada no noroeste do Paquistão por um grupo de homens armados que abriu fogo contra o ônibus escolar em que ela estava. Malala também é favorita a receber o Nobel da Paz deste ano.

Em carta: Comandante do Taleban pede a Malala para se unir ao Islã

Na ONU: Paquistanesa baleada pelo Taleban comemora 16 anos com discurso

O caso: Taleban atira em paquistanesa defensora dos direitos das mulheres

O Prêmio Sakharov para liberdade de pensamento é oferecido pelo Parlamento europeu anualmente desde 1988 em homenagem ao cientista soviético e dissidente Andrei Sakharov. Entre os vencedores estão Nelson Mandela e a ativista de Mianmar Aung San Suu Kyi.

Malala foi escolhida em uma votação entre líderes de todos os grupos políticos do Parlamento de 750 membros.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.