Obama rejeita oferta dos republicanos para encerrar paralisação, diz jornal

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Líderes da oposição ofereceram elevação de curto prazo do teto da dívida se presidente dos EUA fizer concessões

O presidente dos EUA, Barack Obama, rejeitou nesta quinta-feira (10) a oferta dos republicanos para uma elevação por seis semanas do teto da dívida norte-americana, o que evitaria neste momento um calote do governo. O plano apresentado pela oposição na Câmara dos Deputados tinha como condição que Obama concordasse em fazer negociações sobre o orçamento. A informação foi divulgada pelo jornal The New York Times.

Conheça a nova home do Último Segundo

Após uma reunião na Casa Branca, o líder democrata no Senado, Harry Reid, resumiu a avaliação do presidente dos EUA sobre a proposta. “Não vai acontecer”. Ainda assim, a oferta para elevar o teto do endividamento do governo é uma mudança significativa dos republicanos, que esperavam obter concessões em gastos do governo e na questão da saúde.

AP
"Não vai acontecer", disse Harry Reid (centro) sobre oferta dos republicanos

Antes de uma reunião com Barack Obama, não estava claro se os republicanos estariam dispostos a pôr fim à paralisação iniciada em 1º de outubro sem concessões do presidente democrata, o que minariam sua lei de reforma da saúde, fato que precipitou a crise.

Obama insistiu que o teto da dívida deve ser elevado - evitando a possibilidade do primeiro calote nacional da história - e a paralisação parcial do governo deve ter um fim sem que essas ações sejam condicionadas a exigências.

Casa Branca: Obama marca nova reunião com deputados para discutir impasse

Pressão: Obama cobra reabertura do governo e elevação do teto da dívida

"Eu esperaria que o presidente olhasse isso como uma oportunidade e um esforço de boa fé de nossa parte (...) para dar início a esse diálogo", disse presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, John Boehner, a repórteres depois de apresentar o plano a deputados republicanos.

Boehner fez a proposta em meio ao 10º dia de paralisação parcial do governo. Separadamente, o governo fez um alerta que se o teto da dívida não for elevado, o governo esgotará sua capacidade de se endividar na próxima quinta-feira (17), o que provocaria uma série de prejuízos à economia dos EUA e do mundo.

As aprovações de orçamentos temporários para manter o governo funcionando e da elevação do teto da dívida são práticas de rotina no Congresso. Mas elas se tornaram moeda de troca dos republicanos que defendem cortes de programas do governo, incluindo a lei da reforma da saúde de Obama.

*Com informações da AP e Reuters

Leia tudo sobre: ObamaparalisaçãoEUA

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas