Dilma manda Itamaraty atuar no caso da brasileira presa na Rússia

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Bióloga Ana Paula Maciel e outros ativistas foram detidos ao tentar invadir plataforma em protesto contra exploração de petróleo no Ártico

Agência Brasil

A presidenta Dilma Rousseff solicitou nesta quinta-feira (10) ao ministro das Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo, contato de alto nível (entre as cúpulas governamentais) com o governo da Rússia para encontrar uma solução para o caso da brasileira Ana Paula Maciel, acusada de pirataria após ser presa com mais 29 militantes do Greenpeace durante protesto contra a exploração de petróleo no Ártico.

Conheça a home do Último Segundo

Leia mais: Rússia diz ter encontrado drogas em navio do Greenpeace

Para libertar ativistas: Diretor do Greenpeace se oferece como garantia

Greenpeace
A brasileira Ana Paula Maciel está entre os ativistas do Greenpeace presos na Rússia

“Determinei ao Ministério de Relações Exteriores que desse toda assistência à brasileira Ana Paula Maciel, detida na Rússia durante protesto ambiental”, escreveu Dilma, em sua conta no Twitter. “Solicitei ao ministro Figueiredo contato de alto nível com o governo russo para encontrar solução para Ana Paula”, completou.

Ontem (9), a Comissão de Relações Exteriores da Câmara informou que encaminharia ao governo russo pedido para que Ana Paula responda ao processo em liberdade. O requerimento para o pedido é de autoria do deputado Henrique Fontana (PT-RS) e foi aprovado ontem. O pedido será encaminhado à Embaixada da Rússia em Brasília.

São Paulo: Greenpeace faz ato pela libertação de brasileira presa na Rússia

Rússia: Justiça acusa brasileira e outros quatro do Greenpeace de pirataria

Após protesto: Do Greenpeace, bióloga brasileira ficará presa por dois meses

Ana Paula, que é bióloga, foi detida em Murmansk, no Norte da Rússia, no dia 18 de setembro. Os ativistas eram tripulantes do navio quebra-gelo Arctic Sunrise e estavam no local para protestar contra a estatal russa Gasprom. Os ativistas foram presos ao tentar escalar a plataforma Prirazlomnaya, que é a primeira em alto-mar na região e, segundo a organização, tem previsão para começar a operar no próximo ano.

Leia tudo sobre: greenpeacebrasileiraana paula macielrússia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas