Vítimas processam ONU por epidemia de cólera no Haiti

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Doença atingiu mais de 650 mil pessoas, matando mais de 8,3 mil delas; advogados pedem indenização na Justiça

Reuters

Advogados de direitos humanos que representam vítimas de uma epidemia de cólera no Haiti, cujo início foi atribuído a tropas de paz da ONU, anunciaram nesta quarta-feira (9) a abertura de um processo judicial em Nova York no qual pleiteiam uma indenização da Organização das Nações Unidas.

Conheça a nova home do Último Segundo

AP
Haitiana transporta água perto de base militar de Porto Príncipe (6/3)

Reconstrução: Haiti tenta se reerguer como destino turístico

Meses atrás, a ONU havia anunciado que não tinha a intenção de pagar centenas de milhões de dólares às vítimas da cólera no Haiti, onde a epidemia atingiu mais de 650 mil pessoas desde outubro de 2010, matando mais de 8,3 mil delas.

"Os autores da ação incluem haitianos e haitiano-americanos que contraíram cólera, bem como familiares daqueles que morreram pela doença", disse em nota o Instituto para a Justiça e a Democracia no Haiti.

A nota diz que a ação foi aberta na Corte Distrital do Distrito Sul de Nova York. Não foi citado o valor solicitado como indenização.

Espanha: Reconstrução do Haiti é dificultada por disputas de posse de terra

Três anos depois: Haiti relembra terremoto de 2010 com cerimônias discretas

Uma comissão independente nomeada pelo secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, para estudar a epidemia divulgou em 2011 um relatório que não determinava conclusivamente como a cólera chegou ao Haiti.

Mas o Centro de Prevenção e Controle de Doenças dos EUA encontrou fortes indícios de que soldados nepaleses levaram a doença ao país caribenho.

A cólera é uma infecção que causa diarreia intensa e que pode provocar desidratação e morte. Ela ocorre em lugares com saneamento deficiente.

Custo: Missão no Haiti já custou R$ 1,9 bilhão ao Exército brasileiro

Comércio: Artesãos prosperam no Haiti três anos após terremoto

Em novembro de 2011, o Instituto para a Justiça e a Democracia no Haiti, com sede em Boston, apresentou uma petição na sede da ONU solicitando um mínimo de US$ 100 mil para as famílias de cada pessoa morta por cólera, e pelo menos US$ 50 mil por cada vítima que tenha adoecido.

Em fevereiro deste ano, um porta-voz da ONU declarou que a indenização não constava no artigo 29 da Convenção sobre Privilégios e Imunidades, que trata de disputas envolvendo representantes da ONU com imunidade diplomática.

Na época, o Instituto para a Justiça e a Democracia no Haiti se disse frustrado com a decisão da ONU, e afirmou que recorreria à Justiça.

Decisão: Conselho de Segurança da ONU reduz missão de paz no Haiti

Em 2011: Vítimas de cólera no Haiti pedem indenização à ONU

Não está claro de imediato como a questão da imunidade diplomática para a ONU impactará o processo judicial em Nova York. Ban lançou em dezembro de 2012 uma iniciativa de US$ 2,2 bilhões para erradicar o cólera no Haiti na próxima década. O comando militar da missão de paz da ONU no Haiti é ocupado pelo Brasil.

Leia tudo sobre: haiticóleraonuminustahbrasilmissão de paz

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas