Diretor do Greenpeace se oferece como garantia para libertar ativistas presos

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Kumi Naidoo se colocou como garantia para viabilizar soltura de 30 ativistas detidos na Rússia sob fiança

Reuters

O diretor do Greenpeace se ofereceu nesta quarta-feira (9) para ir morar na Rússia e se colocar como garantia para viabilizar a libertação sob fiança dos 30 ativistas detidos e acusados de pirataria pelas autoridades russas após protestarem contra a exploração de petróleo no Ártico.

Conheça a nova home do Último Segundo

AP
Diretor-executivo do Greenpeace Kumi Naidoo gesticula durante coletiva de imprensa em Washington, nos EUA (27/9)

Em São Paulo: Greenpeace faz ato pela libertação de brasileira presa na Rússia

A oferta foi feita por meio de uma carta, escrita por Kumi Naidoo ao presidente russo, Vladimir Putin, vista pela Reuters e enviada nesta quarta-feira após uma decisão judicial de negar fiança a três dos detidos.

"Ofereço a mim mesmo como garantidor da boa conduta dos ativistas do Greenpeace, caso sejam libertados sob fiança", escreveu Naidoo na carta, na qual ele se ofereceu para "mudar sua vida para a Rússia enquanto durar o caso".

Rússia: Justiça acusa brasileira e outros quatro do Greenpeace de pirataria

Após protesto: Do Greenpeace, bióloga brasileira ficará presa por dois meses 

Ele acrescentou que nem ele nem os ativistas se consideram acima da lei, e solicitou uma reunião urgente com Putin.

Os detidos - 28 ativistas do Greenpeace, incluindo a brasileira Ana Paula Alminhana Maciel, e dois jornalistas freelancers - foram detidos na cidade portuária de Murmansk, norte da Rússia, desde que as autoridades os prenderam quando adentravam na plataforma de petróleo da empresa russa Gazprom.

Naidoo, que foi preso várias vezes por sua atuação na luta contra o apartheid na África do Sul nos anos 1970 e 1980, disse que está preparado para "compartilhar o destino" dos ativistas do Greenpeace. Eles podem pegar até 15 anos de prisão se forem condenados.

O caso: Protesto em plataforma no Ártico termina com tiros e prisões

"Não espero compartilhar o destino, mas é um risco que estou disposto a correr", disse, acrescentando que as "ações pacíficas de protesto" não podem ser consideradas pirataria.

"Você... sabe que ao serem acusados de pirataria eles estão sendo imputados com um crime que não aconteceu", disse ele a Putin na carta.

A Holanda deu início a procedimentos legais contra a Rússia na sexta-feira, alegando que a ilegalidade da detenção dos ativistas a bordo do navio Arctic Sunrise, de bandeira holandesa.

Leia tudo sobre: greenpeacediretorkumi naidoorússiaárticoplataforma

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas