José Manuel Barroso e Enrico Letta foram recebidos em Lampedusa sob protestos após tragédia que matou 275

O presidente da Comissão Europeia anunciou nesta quarta-feira (9) durante uma visita a Lampedusa que a Itália receberia um adicional de 30 milhões de euros (R$89,3 milhões) em ajuda para receber e estabelecer refugiados, após o naufrágio de um barco com imigrantes na ilha italiana que matou ao menos 275.

Tunisiano: Itália detém suposto capitão de barco que naufragou

Naufrágio: Equipes de busca na Itália encontraram 'parede de corpos'

Ursos de pelúcia e flores são colocados no caixões de imigrantes mortos no naufrágio em Lampedusa, Itália (5/10)
AP
Ursos de pelúcia e flores são colocados no caixões de imigrantes mortos no naufrágio em Lampedusa, Itália (5/10)

Na segunda: Número de imigrantes mortos em naufrágio sobe para 211

Itália: Naufrágio de barco com imigrantes deixa mais de 100 mortos

José Manuel Barroso também prometeu trabalhar "incansavelmente" na implementação de uma política ampla de asilo na União Europeia para evitar tragédias similares. Ele visitou Lampedusa com o premiê italiano, Enrico Letta, que anunciou que as vítimas do desastre terão funeral de Estado.

Equipes de resgate continuam a procurar pelos corpos das vítimas do naugrágio. Das cerca de 500 que estavam a bordo da embarcação, apenas 155 sobreviveram.

Papa: Naufrágio que matou imigrantes na Itália 'é uma vergonha'

Alguns moradores da ilha gritaram: "Vergonha! Vergonha" durante a chegada de Barroso e Letta e protestaram do lado de fora da prefeitura, onde os líderes encontraram o prefeito de Lampedusa. Impedidos pela tropa de choque da polícia, manifestantes seguravam cartazes onde lia-se: "Direitos dos moradores de Lampedusa à deriva".

Há anos, os moradores da ilha de Lampedusa reclamam que foram esquecidos pela Itália e pela União Europeia, tendo que lidar sozinhos e com poucos recursos com milhares de imigrantes que chegam à sua costa todos os anos vindos da África e do Oriente Médio. A Itália exigiu que a União Europeia patrulhe o Mediterrâneo e ajude os países de fronteira que recebem os imigrantes.

Na sexta-feira: Mau tempo impede operações de busca após naufrágio

Vídeo: Itália realiza buscas após naufrágio em Lampedusa

Barroso reconheceu que a Itália e outros países do sul do Mediterrâneo, como a Grécia, têm que contar com estrutura para o recebimento dos imigrantes, mas ressaltou que os países do norte da Europa, como a Alemanha, França, Reino Unido, Suécia e Bélgica, na verdade, recebem a maior parte dos requerimentos de asilos permanentes. Esses países receberam 72% dos 330 mil requerimentos na União Europeia em 2012.

A Itália recebe uma fração desses requerimentos - 16 mil no ano passado - e Barroso afirmou que a Itália e a Áustria deveriam dividir mais o fardo. Entretanto, ele anunciou 30 milhões de euros a mais em fundos europeus para ajudar a Itália a melhorar os padrões de seus centros de imigração para cuidar melhor dos recém-chegados.

Veja imagens da tragédia em Lampedusa:

O centro de Lampedusa, por exemplo, recebe rotineiramente mais do que sua capacidade, de 850 pessoas. Essa semana, os recém-chegados dormiram do lado de fora na chuva, porque não havia espaço coberto para eles.

Barroso visitou o centro e também o hangar do aeroporto onde os caixões dos mortos no naufrágio estão enfileirados. "A imagem de centenas de caixões na minha frente nunca vai sair da minha cabeça", disse.

Na terça-feira, ministros do Interior da UE concordaram a princípio em explorar novas fortmas de fortalecer a capacidade das fronteiras para tentar evitar tragédias como essa.

Com AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.