Itália detém suposto capitão de barco que naufragou em Lampedusa

Por AP |

compartilhe

Tamanho do texto

Tunisiano de 35 anos foi levado sob custódia para Agrigento, na Sicília; número de mortos sobe para 275

AP

A Itália deteve nesta terça-feira (8) um tunisiano de 35 anos suspeito de ser o capitão do barco levava imigrantes e naufragou perto da ilha de Lampedusa. As equipes de resgate recuperaram dezenas de corpos dos destroços da embarcação, aumentando o número de mortos para 275.

Naufrágio: Equipes de busca na Itália encontraram 'parede de corpos'

AP
Equipes da Guarda Costeira italiana recuperam um corpo em seu bote na ilha de Lampedusa

Na segunda: Número de imigrantes mortos em naufrágio sobe para 211

Itália: Naufrágio de barco com imigrantes deixa mais de 100 mortos

Apenas 155 imigrantes, a maior parte deles se não todos da Eritreia, sobreviveram ao naufrágio de quinta-feira. Os sobreviventes afirmaram que cerca de 500 africanos buscando asilo na Europa estavam no barco.

Milhares de imigrantes da África e do Oriente Médio tentam atravessar o Mar Mediterrâneo todos os anos, buscando uma vida melhor na Europa, mas a viagem é sempre feita de maneira precária e perigosa.

Papa: Naufrágio que matou imigrantes na Itália 'é uma vergonha'

O naufrágio de quinta-feira foi um dos mais mortais desastres envolvendo imigrantes no Mediterrâneo. Houve registros no passado de imigrantes desaparecidos, como um barco com 300 que sumiu em 2011, mas a maior parte dos corpos nunca foi encontrada.

Procuradores em Agrigento, na Sicília, informaram que detiveram um suspeito da Tunísia, que foi transferido de Lampedusa para Argrigento sob custódia policial em uma balsa. Ele enfrenta acusações de participar da imigração ilegal além de homicídio.

Na sexta-feira: Mau tempo impede operações de busca após naufrágio

Vídeo: Itália realiza buscas após naufrágio em Lampedusa

O capitão da Guarda Costeira, Filippo Marini, disse que 43 corpos foram recuperados de dentro do casco do navio, enquanto um outro corpo foi encontrado por um helicóptero boiando perto dos destroços, antes de a operação ter sido suspensa por causa da escuridão.

Um número desproporcional de mortos são mulheres: até agora, os corpos de 81 mulheres foram recuperados, enquanto apenas seis dos sobreviventes eram do sexo feminino. Oito mortos eram crianças.

Veja imagens da tragédia em Lampedusa:

Imigrante somali de 16 anos observa pôr-do-sol de balsa ao deixar ilha de Lampedusa, na Itália (7/10). Foto: APMergulhadores retomam buscas e resgatam mais dez corpos de barco que naufragou na costa da Sicília (6/10). Foto: Antonio Parrinello/ReutersSobreviventes prestaram homenagem aos mortos no naufrágio, cujos corpos estão em um hangar no aeroporto da ilha (6/10). Foto: Antonio Parrinello/ReutersBandeira preta com a palavra 'Vergonha' tremula na ilha de Lampedusa, Itália (4/10). Foto: APMenino dorme em acampamento temporário na ilha de Lampedusa, na Itália (4/10). Foto: APGuardas resgatam sobrevivente de naufrágio de barco que levava imigrantes africanos a Lampedusa, Itália (4/10). Foto: APCorpos de imigrantes mortos em naufrágio são enfileirados no porto de Lampedusa (3/10). Foto: APCorpo de um imigrante que morreu afogado é resgatado pela Guarda Costeira e levado ao porto de Lampedusa, Sicília (3/10). Foto: APCorpos de imigrantes que morreram no naufrágio são enfileirados no porto de Lampedusa, Itália (3/10). Foto: APEmbarcação da Guarda Costeira italiana transporta sobreviventes de naufrágio de navio que carregava imigrantes na ilha de Lampedusa, Itália (3/10). Foto: APImigrante ferido aguarda para ser atendido no hospital de Lampedusa, na Itália (3/10). Foto: AP

"Dentro da embarcação, estamos encontrando mais mulheres do que homens", disse à TV Sky TG24 Gianni Dessi, uma autoridade da Guarda Costeira que coordena o trabalho dos mergulhadores. "Torcemos para que não, mas devemos encontrar mais crianças."

Ele disse que as cenas vistas dentro da embarcação são duras para os mergulhadores, mas que "manter sangue frio é uma qualidade que ajuda nas operações". Os sobreviventes estavam ajudando a identificar os corpos, a maior parte deles através de fotografias. Em alguns casos, mergulhadores também recuperaram documentos.

Leia tudo sobre: lampedusaitálianaufrágioimigraçãoáfrica

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas