Bolívia determina prisão de ex-presidentes e ex-ministros

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Autoridades do país acusam Jorge Quiroga, Gonzalo Sánchez Lozada e outros de conduta antieconômica

Agência Brasil

Reprodução
Jorge Quiroga foi presidente da Bolívia entre 2001 e 2002

Autoridades bolivianas decretaram a prisão domiciliar do ex-presidente boliviano Jorge Quiroga (2001-2002), 53 anos. Ele é acusado de autorizar contratos para a comercialização de produtos petrolíferos sem o aval do Congresso.

Morales: Presidente da Bolívia pede que Brasil devolva senador da oposição

Em conversa com Lula: Evo Morales propõe comissões para antiestatização

A ordem inclui o ex-presidente Gonzalo Sánchez de Lozada, 83 anos, e os ex-ministros Jorge Berindoague Alcócer, Carlos Alberto Contreras del Solar e Alberto López Quiroga.

O procurador-geral da Bolívia, Ramiro Guerrero, disse que a ordem foi dada seguindo decisão da Suprema Corte. Jorge Quiroga e os demais responderão pelos crimes de descumprimento de deveres e conduta antieconômica.

As acusações contra o grupo envolvem 107 contratos petroleiros, no período de 1997 a 2004, para favorecer empresas multinacionais, sem autorização do Congresso Nacional.

Quiroga mora na Bolívia. Ele substituiu Hugo Banzer, do qual foi vice-presidente e que acabou morrendo em consequência de complicações causadas por um câncer.

Sánchez de Lozada, 83 anos, vive como exilado nos EUA. Foi presidente em dois períodos: de 1993 a 1997 e de 2002 a 2003. No segundo mandato, Lozada renunciou e deixou o país sob suspeita de cumplicidade no massacre de 70 pessoas. O governo da Bolívia insiste no pedido de extradição dele.

Leia tudo sobre: bolíviaquirogalozadapetróleo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas