'Parem com essa farsa', diz Obama ao Congresso no terceiro dia de paralisação

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Impasse faz parte de ações dos republicanos para barrar as reformas no setor de saúde, chamadas de "Obamacare"

Reuters

AP Photo/Charles Dharapak
"Minha mensagem simples hoje é: 'marque a votação'", disse Obama numa construtora de Maryland

Ao entrar no terceiro dia nesta quinta-feira (3), a paralisação do governo dos Estados Unidos provoca preocupação com o risco de consequências maiores, e o presidente Barack Obama desafiou os republicanos a "parar com essa farsa" e permitir um voto direto no projeto sobre o financiamento público.

R$ 600 milhões: Qual o impacto da paralisação parcial do governo dos EUA?

Reunião: Obama e Congresso seguem em impasse sobre paralisação

As duas partes permanecem firmes em suas posições no impasse, desencadeado pelas ações dos republicanos para barrar as reformas de Obama no setor de saúde, chamadas de "Obamacare". Cresce o temor de que a crise vá se juntar com uma disputa mais complexa prevista para o fim do mês sobre a elevação do teto do endividamento do governo federal, e que isso possa impedir quaisquer tentativas de encerrar a paralisação antes de meados de outubro.

Obama disse haver número suficiente de republicanos dispostos a aprovar imediatamente a legislação sobre gastos se o presidente da Câmara dos Deputados, o republicano John Boehner, permitir a votação da lei de financiamento sem vinculá-la a condições de cunho partidário. Mas Obama afirmou que Boehner se recusa a fazer isso porque "ele não quer irritar os extremistas de seu partido".

"Minha mensagem simples hoje é: 'marque a votação'", disse Obama em um discurso em uma construtora no Estado de Maryland. "Coloque em votação. Parem com essa farsa, e encerre esta paralisação imediatamente." Obama alertou que por mais dolorosa que seja a paralisação do governo, um calote causado pelo fracasso em elevar o limite do endividamento seria muito pior para a economia como um todo.

Presidente: Obama descarta negociar e diz que 'Wall Street deve se preocupar'

Trabalhadores em casa: Impasse põe 800 mil de licença sem remuneração

O porta-voz de Boehner disse que o presidente da Câmara sempre "disse que os Estados Unidos não vão deixar de honrar os seus débitos". "Ele também sempre disse que não há na Câmara votos para aprovar uma lei 'completa' sobre o limite de endividamento. É por isso que precisamos de uma lei com cortes e reformas", declarou o porta-voz.

Embora alguns republicanos moderados tenham começado a questionar a estratégia de seu partido, até o momento Boehner tem mantido a bancada amplamente unida em torno de um plano que propõe uma série de pequenas leis para a reabertura de partes seletivas do governo mais afetadas pela paralisação. Os democratas rejeitaram essa abordagem fragmentada.

Washington D.C.: O dia em que a capital dos EUA amanheceu parada

Inteligência: Paralisação nos EUA prejudica proteção contra ameaças

O Tea Party Express, um dos grupos que combatem impostos dentro do grupo conservador Tea Party --a ala mais radical do Partido Republicano-- enviou na quarta-feira (2) um email a seus partidários dizendo que pelo menos 12 republicanos indicaram estar dispostos a ceder e se unirem aos democratas na votação de uma lei de custeio do governo sem a imposição de condições. Eles pediram que os eleitores pressionassem os "republicanos fracos" a evitar a aprovação do plano de saúde de Obama e a concessão de recursos para o governo federal.

Leia tudo sobre: MUNDOEUACONGRESSOOBAMArepublicanosdemocratasparalisaçãoObamacare

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas