Saiba mais sobre João 23, o papa reformista

Por Luciana Alvarez | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Pontífice que será canonizado em 2014 foi responsável pela convocação do Concílio do Vaticano 2º em 1961

João 23 nasceu no dia 25 de novembro de 1881 em Sotto il Monte, Bérgamo, Itália, com o nome de Angelo Giuseppe Roncalli. Foi o quarto de treze irmãos de família de camponeses bastante religiosa. Atribuía ao seu tio Xavier sua primeira e fundamental formação religiosa.

João Paulo 2º e João 23 vão se tornar santos: Entenda a canonização

AP
Papa João 23 em seu trono portátil na Basílica de São Pedro, no Vaticano (25/1/1959)

Ingressou no Seminário de Bérgamo, onde estudou até o segundo ano de teologia. Ali, começou a redigir os seus escritos espirituais, que depois foram recolhidos no "Diário da Alma". Em maio de de 1897, foi admitido na Ordem Franciscana Secular.

De 1901 a 1905 foi aluno do Pontifício Seminário Romano, graças a uma bolsa de estudos da diocese de Bérgamo. Recebeu a ordenação sacerdotal em 1904 e, no ano seguinte, foi nomeado secretário do bispo de Bérgamo, acompanhando-o nas várias visitas que fazia. Tornou-se um pregador muito solicitado, conhecido por uma eloquência elegante.

Quando a Itália entrou na Primeira Guerra Mundial (1914-1918), foi chamado como sargento sanitário e nomeado capelão dos soldados feridos que regressavam da linha de combate. No fim do conflito, abriu a "Casa do Estudante" e trabalhou na pastoral dos jovens.

João 23 foi chamado a Roma pelo então papa Bento 15, como presidente do Conselho das Obras Pontifícias para a Propagação da Fé. Em 1925, o novo papa, Pio 11, nomeou-o Visitador Apostólico para a Bulgária, país em que permaneceu por dez anos, até ser designado para atuar na Turquia e na Grécia.

Segundo a Igreja, João 23 salvou muitos judeus na Grécia durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Com o fim do conflito, dedicou-se a ajudar ex-prisioneiros de guerra e a normalizar a vida eclesiástica na França. Em 1953 tornou-se cardeal e, cinco anos depois, com a morte de Pio 12, foi eleito papa.

Sua eleição foi considerada inesperada à época – seu nome não era cotado e ele teria sido mencionado apenas no terceiro dia de conclave, quando a votação entrou num impasse. Tinha então 77 anos e era visto como um “papa de transição”.

De fato, seu pontificado foi curto; durou menos de cinco anos. Ele foi visto como um papa simples e bondoso, sendo apelidado de “o bom papa”.

Mas em sua passagem pelo posto, tentou modernizar a Igreja. Ele instituiu uma comissão para a revisão do Código de Direito Canónico e supreendeu à Cúria ao convocar o Concílio Ecumênico Vaticano 2º. Pela primeira vez na história, nomeou cardeais de outras raças e canonizou o primeiro santo negro da América, o peruano São Martín de Porres.

AP
Papa João 23 posa para foto do lado de fora de igreja em Roma (03/1962)

Por conta do perfil reformista e ecumênico, grupos minoritários católicos o acusavam de ser maçom, esquerdista radical e até herege. Morreu em junho de 1963, aos 81 anos, em decorrência de um câncer de estômago, sem conseguir encerrar o Concílio.

Foi beatificado em 2000 pelo papa João Paulo 2º após a cura da irmã Caterina Capitani, da congregação das Filhas da Caridade, que estava à beira da morte após a retirada de um tumor. Apesar de ter somente um milagre reconhecido, sua canonização foi anunciada pelo papa Francisco para 27 de abril de 2014.

Leia tudo sobre: joão 23canonizaçãovaticanoigreja católica

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas