Parlamento iraniano apoia esforço diplomático de presidente Rouhani

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Visita do presidente aumentou esperança de progresso diplomático nas negociações sobre programa nuclear

Reuters

 O Parlamento iraniano apoiou a tentativa diplomática do presidente Hassan Rouhani de tentar dispersar a desconfiança internacional sobre o Irã em discurso na ONU na semana passada, durante uma visita que terminou com uma conversa por telefone histórica com o presidente dos EUA, Barack Obama, segundo a mídia iraniana.

Mais: Premiê de Israel pede a Obama que sanções contra Irã sejam mantidas

Para EUA: Israel diz ter capturado espião iraniano com fotos de embaixada

AP
Presidente do Irã, Hasan Rouhani, concede entrevista em Teerã, capital do país (10/9)




Urânio: Chanceler do Irã diz que enriquecimento nuclear não é negociável

Regime clerical: Presidente do Irã muda tom, mas aiatolá tem palavra final

apoio da assembleia controlada por facções políticas muito leais ao líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, é mais um sinal de que Rouhani tem o apoio do establishment iraniano, embora haja alguma reclamação dos radicais. Khamenei, a figura mais poderosa no Irã, ainda não comentou publicamente a viagem de Rouhani.

O presidente iraniano falou brevemente com parlamentares em sua viagem, incluindo discussões sobre a disputa nuclear do Irã com o Ocidente e as relações regionais, disse a agência de notícias estudantil Isna na noite de terça-feira.

Diálogo: Obama conversa com Rouhani por telefone e vê chance de progresso

Autoridades: Reunião entre Irã e agência nuclear da ONU foi 'construtiva'

Um grupo de 230 parlamentares, de um total de 290, assinou uma declaração expressando seu apoio a Rouhani por apresentar a imagem de um "Irã poderoso e pacífico que busca discutir e interagir para ajustar as questões regionais e internacionais", disse a agência de notícias Fars.

Enquanto a visita de Rouhani a Nova York aumentou a esperança de um progresso diplomático nas negociações para resolver a disputa de 10 anos sobre o programa nuclear do Irã, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, rejeitou-a na terça-feira como um ardil tramado por um "lobo em pele de cordeiro".

Infográfico: Saiba mais sobre o mundo nuclear

ONU: 'Paz está ao alcance’, diz presidente do Irã em primeiro discurso

Estados Unidos, Israel e outros países acusam o Irã de usar seu programa nuclear como uma cortina para os esforços de tentar desenvolver a capacidade de produzir armas. O Irã diz que o programa tem fins pacíficos, e visa apenas produzir energia.

O ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, disse que Netanyahu e o "lobby sionista" tentavam atrapalhar as negociações. "Não vamos deixar Netanyahu determinar o futuro de nossas conversas", escreveu Zarif em sua página no Facebook. A próxima rodada de negociações nucleares entre o Irã e as seis potências mundiais deve acontecer em Genebra daqui a duas semanas.

Dentro do Irã, mesmo quando os conservadores apoiam Rouhani, que garantiu uma vitória eleitoral em junho prometendo moderação na política externa, havia sinais de que alguns temiam que o presidente estivesse indo rápido demais.

O presidente do Parlamento, Ali Larijani, elogiou o discurso de Rouhani na Assembleia-Geral da ONU, disse a ISNA. Mas Larijani, defensor do establishment conservador, não mencionou o telefonema de Rouhani para Obama.

O chefe da poderosa Guarda Revolucionária disse na segunda-feira que o telefonema tinha sido prematuro, um sinal de desconforto e possível início de resistência dos linhas-duras iranianos ao relativamente moderado Rouhani.

Leia tudo sobre: netanyahuobamaeuairãprograma nucleararmas nucleares

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas