Obama descarta negociar com Congresso e diz que 'Wall Street deve se preocupar'

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Presidente dos EUA criticou o Tea Party e disse que a hostilidade do grupo afeta não somente o funcionamento do governo, mas a saúde da economia

Wall Street precisa realmente se preocupar com o que está acontecendo em Washington desta vez, afirmou o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, em entrevista à rede de televisão norte-americana CNBC nesta quarta-feira (2), segundo dia de paralisação parcial do governo. “Quando se tem uma situação em que uma facção está disposta a colocar o país em default, é porque estamos com problemas", disse Obama.

Chefe de inteligência: Paralisação nos EUA prejudica proteção contra ameaças

EUA: Obama cancela viagem a Malásia e Filipinas por paralisação do governo

Paralisação: Obama convoca líderes do Congresso para reunião

Ele se disse irritado que os republicanos tenham se recusado a retirar demandas que levaram o governo à paralisação na terça-feira: "Estou irritado? Absolutamente irritado”. E acrescentou que a paralisação foi totalmente desnecessária. A paralisação forçou Obama a cancelar duas paradas em sua viagem para a Ásia e deixou funcionários públicos no limbo em todo o país, além de prejudicar as atividades de inteligência .

Reuters
Barack Obama se disse absolutamente irritado e afirmou que a paralisação foi desnecessária

Obama descartou negociações sobre questões orçamentárias com o Congresso até que os parlamentares encerrem a paralisação do governo dos EUA. No entanto, o presidente dos EUA convocou legisladores à Casa Branca nesta quarta-feira (2). O gabinete do presidente da Câmara, o republicano John Boehner, disse que vai participar do encontro na Casa Branca, pois toma o convite como um sinal de que Obama avaliará as exigências dos republicanos de fazer mudanças no projeto de lei da reforma de saúde em troca da liberação do orçamento temporário do governo.

Setores afetados: Impasse põe 800 mil de licença sem remuneração nos EUA

Serviços: Impasse fecha Estátua da Liberdade e frustra turistas nos EUA

Obama também criticou o Tea Party, a ala conservadora do Partido Republicano. Disse que a hostilidade do grupo afeta não somente o funcionamento do governo, mas a saúde da economia. ”Se isso virar um hábito, nenhum presidente que vier depois de mim será capaz de governar com eficiência", afirmou. "Sei que o povo norte-americano, e acredito que as empresas também, estão cansadas dessa governança de crise a crise. Será ainda pior se nos colocarem em default pela primeira vez na história."

Obama afirmou ainda que, se o Congresso reabrir o governo e elevar o teto da dívida, ele vai entrar nas negociações orçamentárias. Apesar de dizer que não toma decisões baseadas na performance do mercado de ações, o presidente frisou que o atual impasse pode ter grande impacto nas empresas.

Entenda: Rixa sobre reforma de saúde de Obama agita votação no Congresso

Infográfico: Relembre os quatro primeiros anos do governo Obama

A indignação pública aumentou quando a paralisação parcial do governo fechou parques nacionais e monumentos como a Estátua da Liberdade e interrompeu a coleta de lixo em Washington D.C. Cerca de um terço dos funcionários públicos - 800 mil trabalhadores - estão de licença e sem remuneração. Funcionários classificados como "essenciais" - como controladores de tráfego aéreo, agentes de patrulha de fronteiras e a maior parte dos inspetores de alimentos - continuam a trabalhar.

Com Reuters

Leia tudo sobre: MUNDOEUAOBAMANAONEGOCIA

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas