Obama cancela viagem a Malásia e Filipinas por paralisação do governo dos EUA

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo Casa Branca, presidente ainda vai para a Indonésia e Brunei; impasse segue no Congresso

A paralisação parcial do governo dos EUA forçou o presidente dos EUA, Barack Obama, a cancelar duas paradas em sua viagem para a Ásia e deixou no limbo milhares de funcionários públicos federais em todo o país. Legisladores dos dois partidos sugeriram nesta quarta-feira (2) que o impasse pode durar semanas e se tornar uma briga potencialmente perigosa sobre os limites do endividamento dos EUA.

Impasse: Senado rejeita oferta dos republicanos para encerrar paralisação

Presidente: Obama culpa 'cruzada ideológica' por paralisação do governo

AP
Presidente Barack Obama faz pausa durante pronunciamento em jardins da Casa Branca, em Washington (1/10)

Terça-feira: Diante de impasse, governo dos EUA entra em paralisação parcial

O financiamento da maior parte do governo foi cortado na terça-feira (1º) depois de um esforço do Partido Republicano para tentar inviabilizar a reforma de saúde do presidente Obama, barrando o orçamento temporário.

Na terça, os republicanos articularam uma estratégia para tentar tirar aos poucos o governo da paralisação, mas a ideia não avançou o suficiente.

Quase um terço dos funcionários públicos federais - cerca de 800 mil - foram forçados a ficar de licença sem remuneração, fechando serviços que vão desde sites de informação a parques nacionais. Funcionários classificados como "essenciais" - como controladores de tráfego aéreo, agentes de patrulha de fronteiras e a maior parte de inspetores de alimentos - continuam a trabalhar.

Obama, que deixará os EUA em direção à Ásia no sábado à noite, cancelou as duas últimas paradas na Malásia e nas Filipinas. Ele ainda viajará para a Indonésia e para Brunei.

A porta-voz do Conselho de Segurança Nacional Caitlin Hayden disse que uma vez que as paradas na Malásia e nas Filipinas estavam programadas para acontecer na volta do presidente "nossa equipe não estava ainda nos locais e não fomos capaz de prosseguir com o planejamento".

Partido Republicano: Ao paralisar governo, oposição abraça risco político

Setores afetados: Impasse põe 800 mil de licença sem remuneração nos EUA

Caitlin acrescentou: "O cancelamento dessa viagem é outra consequência da atitude dos republicanos de forçar a paralisação do governo. Era uma paralisação completamente evitável e está prejudicando nossa capacidade de promover as exportações dos EUA e a liderança do país na maior região emergente do mundo."

Serviços: Impasse fecha Estátua da Liberdade e frustra turistas nos EUA

Entenda: Rixa sobre reforma de saúde de Obama agita votação no Congresso

A Casa Branca afirmou que Obama telefonou ao primeiro-ministro da Malásia, Najib Razak, e para o presidente das Filipinas, Benigno Aquino 3º, na terça-feira para informá-los das mudanças nos seus planos e se comprometer a viajar aos dois países em outro momento no seu mandato.

A viagem é parte da estratégia de Obama de ampliar os laços econômicos dos EUA com a Ásia. Obama cancelou duas vezes viagens à Ásia em 2010, uma vez para ficar em Washington durante a votação da reforma da saúde, e outra por causa de um vazamento de petróleo no Golfo do México.

Infográfico: Relembre os quatro primeiros anos do governo Obama

Líderes republicanos responsabilizaram o Senado, dominado pelo Partido Democrata, por rejeitar uma oferta da Câmara dos Representantes para abrir negociações oficiais sobre o orçamento temporário. Os democratas insistem que os republicanos devem ceder e aprovar diretamente o orçamento.

Obama planejou nesta quarta-feira (2) receber presidentes executivos das 19 principais empresas do setor financeiro do país para dar destaque à oposição do mercado à paralisação.

A disputa sobre o orçamento dividiu o Partido Republicano. Um núcleo mais conservador se colocou contra à reforma de saúde de Obama, alegando que ela prejudica o emprego e restringe a liberdade dos americanos, obrigando-os a ter um seguro saúde. Mas outros republicanos temem que o partido leve a culpa pela paralisação e que isso prejudique as eleições ao Congresso no ano que vem.

O deputado republicano Peter King, de Nova York, afirmou na quarta-feira que membros da Câmara alinhados ao movimento conservador Tea Party estão tentando "sequestrar o partido". King acrescentou que um número cada vez maior de deputados republicanos - talvez mais de 100 - está ficando cansada dessa ala do partido.

AP
Barricadas são colocadas em frente ao Museu Nacional do Ameríndio, em Washington, fechado por paralisação do governo dos EUA

Em um texto opinativo publicado no USA Today, o presidente da Câmara, o republicano John Boehner, criticou os democratas por se recusarem a negociar. "Esperamos que os democratas do Senado - e o presidente Obama - mudem o curso e comecem a trabalhar conosco em nome do povo americano", escreveu.

Na noite de terça, republicanos tentaram aprovar uma legislação destinada a reabrir alguns serviços do governo, incluindo os parques nacionais. Os democratas rejeitaram a ideia, dizendo que os republicanos não possuem o poder de escolher quais agências abririam e quais permaneceriam sem funcionar.

Não afetada pela paralisação, uma parte importante da reforma da saúde entrou em vigor na terça-feira. Seguradoras de saúde receberam inscrições para a cobertura de milhões de americanos a partir de 1º de janeiro.

Com AP

Leia tudo sobre: euaparalisaçãocongressorepublicanosdemocratas

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas