Equador leva à Justiça primeiro caso de crimes contra a humanidade

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Juíza determinou ordem de prisão preventiva contra três oficiais por atos de tortura e desaparecimento forçado

Reuters

Uma juíza do Equador determinou na terça-feira (2) uma ordem de prisão preventiva contra três altos oficiais da reserva por supostos atos de tortura e desaparecimento forçado ocorridos há quase 30 anos, no primeiro caso de crimes contra a humanidade julgado no país.

Cordillera: Chile vai fechar luxuosa prisão para agentes da ditadura militar

40 anos: Chile relembra golpe militar em meio à resgate do legado de Allende

A decisão da juíza também inclui prisão domiciliar para sete coronéis e generais. "A juíza aceitou o pedido de prisão da promotoria. Fixou 90 dias para reunir mais provas e, em seguida, convocar um julgamento criminal", disse um porta-voz da Corte Nacional de Justiça.

As medidas tomadas pela juíza fazem parte de uma etapa de investigação prévia ao início de um julgamento criminal contra os militares aposentados, que pode demorar anos até uma sentença definitiva.

Arma biológica: Brasil teria exportado toxina à ditadura Pinochet

Em 2011: Argentina condena 18 militares por tortura e homicídios

Dois dos acusados estariam fora do país, segundo informações da imprensa local. Os militares e policiais cujas idades variam entre 58 e 81 anos, são acusados de envolvimento em tortura, desaparecimentos e violência sexual contra três ex-membros de um grupo armado que se autodenomina de esquerda revolucionário.

"Pela primeira vez na história do Equador se julgará um caso desse tipo", disse a promotoria em um comunicado.

Leia tudo sobre: equadorditaduracrimes de guerraquitoexército

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas