Derrotado, Berlusconi anuncia apoio a premiê italiano em voto de confiança

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Após dias tentando derrubar governo de coalizão, ex-premiê decide votar por manutenção de Enrico Letta

Reconhecendo uma derrota política, o ex-premiê Silvio Berlusconi anunciou nesta quarta-feira (2) que apoiaria o governo do primeiro-ministro da Itália, Enrico Letta, em um voto de confiança no Parlamento, uma reviravolta impressionante depois de semanas tentando derrubar o governo de coalizão.

Voto de confiança: Aliados de Berlusconi sinalizam apoio a atual premiê

AP
Ex-premiê Silvio Berlusconi enxuga o rosto em sessão do Senado em Roma, Itália

Sábado: Ministros do partido de Berlusconi renunciam a cargos no governo

Em meio à crise: Premiê Letta se reúne com presidente da Itália

No Senado, Berlusconi fez uma inesperada intervenção antes do voto que determinará a sobrevivência do governo, depois de Letta ter feito um apaixonado pedido para a manutenção de seu governo, há apenas cinco meses no poder.

"A Itália precisa de um governo que possa conduzir reformas estruturais e institucionais que o país necessita para se modernizar. Decidimos, não sem conflitos internos, votar (em favor do premiê)."

A decisão representa uma grande derrota para Berlusconi. No fim de semana, ele ordenou que cinco ministros de seu partido que integravam o governo deixassem seus cargos, porque está preocupado com uma votação, planejada para sexta-feira, que pode expulsá-lo do Senado após sua condenação por fraude fiscal.

Na terça, em um histórico desafio à autoridade de Berlusconi, importantes aliados frustraram os planos do ex-primeiro-ministro e anunciaram que apoiariam a coalizão entre esquerda e direita do governo.

Na TV: Berlusconi promete continuar na política mesmo se perder mandato

Condenado: Berlusconi diz ser vítima de acusações sem fundamento

Pouco antes do voto de confiança, os números estavam em fluxo. O senador Roberto Formigioni disse que 25 aliados de Berlusconi haviam indicado apoio a Letta, o que seria suficiente para que o premiê conseguisse prosseguir no comando. Em vez de reforçar as divisões e as deserções, Berlusconi jogou a toalha e mudou os planos.

Em discurso ao Senado, Letta falou sobre o sucesso de seu governo de cinco meses e pontou seu planejamento para reavivar a economia da Itália e reverter seu desemprego histórico. Ele alertou os deputados que a Itália "corre um risco, um risco fatal" dependendo das escolhas que fizerem. "Nos dê sua confiança para atingir esses objetivos. Dê sua confiança para tudo o que já foi feito", disse Letta, aplaudido. "Um voto de confiança não é um voto contra ninguém, mas um voto de confiança para a Itália e os italianos. "

Ao entrar no Senado nesta quarta-feira, Berlusconi aparentava estar menos combativo que nos últimos dias: "Vamos ver o que vai acontecer", disse o ex-premiê segundo agências de notícias itlaianas. "Vamos ouvir o discurso de Letta e decidir."

Julgamento: Suprema Corte mantém condenação de Berlusconi por fraude

O partido de Berlusconi, Povo da Liberdade (PDL), tem estado bem dividido desde que a Suprema Corte da Itália condenou o ex-premiê por fraude fiscal em agosto. Sua primeira condenação definitiva na Justiça fez com que seu partido vivesse um caos interno, com seu mais próximo aliado e herdeiro político, Angelino Alfano, o desafiasse abertamente dizendo que apoiaria Letta.

Silvio Berlusconi dominou a política italiana por quase duas décadas até sua renúncia em novembro de 2011, em meio à forte crise econômica no país. Essa "rebelião" interna no seu partido represeta o maior desafio à sua liderança desde a fundação da legenda.

O veredicto da Suprema Corte do mês passado foi a primeira condenação definitiva contra Berlusconi, que há anos enfrenta processos na Justiça. Aos 77 anos, ele é considerado muito velho para cumprir sua sentença de um ano na prisão, mas é esperado que ele seja colocado em prisão domiciliar ou tenha que prestar serviço comunitário.

Ele ainda aguarda o resultado de um recurso em um outro processo, no qual ele foi considerado culpado por pagar por sexo a uma prostituta menor de idade.

Com AP e Reuters

Leia tudo sobre: berlusconiitáliaprimeiro-ministrolettavoto de confiança

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas