Senado rejeita oferta de republicanos para encerrar paralisação nos EUA

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Republicanos são acusados de fazer governo refém para sabotar reforma da saúde, bandeira doméstica do governo

O Senado rejeitou nesta terça-feira (1) um plano dos republicanos para reabrir algumas áreas do governo dos EUA enquanto a primeira paralisação de órgãos federais em 17 anos levava ao fechamento de marcos como a Estátua da Liberdade e deixava centenas de milhares de funcionários públicos sem trabalho.

Presidente: Obama culpa 'cruzada ideológica' por paralisação do governo

AP
Casa Branca não levou muito tempo para rejeitar a oferta

A rápida recusa demonstra não haver nenhum sinal de que democratas e republicanos possam em breve pôr fim ao impasse sobre o projeto de saúde do governo, que paralisou de tudo, de negociações no âmbito do comércio a pesquisa médica, e aumentou a preocupação sobre a habilidade do Congresso de cumprir suas obrigações mais básicas.

A Casa Branca também reprovou a tentativa republicana. O porta-voz Jay Carney disse que essa não era uma "abordagem séria".

Terça-feira: Diante de impasse, governo dos EUA entra em paralisação parcial

Partido Republicano: Ao paralisar governo, oposição abraça risco político

Uma batalha ainda maior despontará nas próximas semanas, quando o Congresso terá de elevar o limite de endividamento, do contrário os EUA correm o risco de um calote que poderá afetar os mercados de todo o mundo.

Enquanto os republicanos na Câmara se reuniam para avaliar seu próximo passo, Obama os acusava de fazer o governo refém para sabotar seu projeto de lei para a saúde, o mais ambicioso programa social dos Estados Unidos em cinco décadas.

Setores afetados: Impasse põe 800 mil de licença sem remuneração nos EUA

Serviços: Impasse fecha Estátua da Liberdade e frustra turistas nos EUA

"Eles paralisaram o governo em razão de uma cruzada ideológica para negar planos de saúde acessíveis a milhões de americanos", disse Obama nos jardins da Casa Branca.

Os republicanos na Câmara dos Deputados consideram a nova legislação para a saúde uma perigosa ampliação do poder do governo e empenharam esforços para miná-la, bloqueando fundos para o governo. O Senado, controlado pelos democratas, tem repetidamente rejeitado essa estratégia dos republicanos.

Entenda: Rixa sobre reforma de saúde de Obama agita votação no Congresso

O poder do governo para efetuar gastos expirou à meia-noite de segunda-feira, no horário local, mas isso não impediu o governo Obama de apresentar as alterações no seguro de saúde, as quais formam a parte central da lei.

O último plano dos republicanos, circulado por líderes do partido nesta terça-feira, seria restabelecer os recursos para parques federais, programas para os veteranos e o Distrito de Colúmbia.

Os democratas recusaram, afirmando que não cabe aos republicanos decidir o que deve permanecer aberto e o que tem que continuar paralisado.

Com AP e Reuters

Leia tudo sobre: paralisaçãoeuaobamaobamacarerepublicanosdemocratas

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas