Desde abril, mais de 4,5 mil foram mortos no Iraque; nenhum grupo reivindicou os atentados desta segunda

Uma onda de carros-bomba atingiu bairros predominantemente xiitas de Bagdá, no Iraque, na manhã desta segunda-feira (30), deixando ao menos 51 mortos e dezenas de feridos, disseram autoridades.

O Ministério do Interior responsabilizou insurgentes ligados à Al-Qaeda, dizendo que os militantes estão explorando a luta política e as deficiências de segurança para realizar ataques.

Iraque: Homem-bomba ataca em funeral e mata pelo menos 40

Iraquianos recolhem páginas de cópias do Corão de mesquita destruída em atentado suicida em Musayyib, Iraque
AP
Iraquianos recolhem páginas de cópias do Corão de mesquita destruída em atentado suicida em Musayyib, Iraque

Funeral: Atentado em reduto xiita mata mais de 60 no Iraque

Bagdá:  Crianças encontram 10 corpos algemados e vendados

O ataque mais mortal do dia ocorreu no distrito leste de Sadr City, onde um carro-bomba estacionado foi detonado perto de um pequena quitanda, deixando sete mortos e 16 feridos.

Esse ataque foi seguido por um total de 10 detonações de carros-bomba nos bairros xiitas de Nova Bagdá, Habibya, Sabaa al-Bour, Kazimiyah, Shaab, Ur, Shula, bem como nos bairros sunitas de Jamiaa e Ghazaliyah.

NYT: Conflitos no Iraque evocam temores de nova guerra civil

Análise: Violência pode levar à desintegração do Iraque

As 10 outras explosões também atingiram mercados abertos ou estacionamentos, matando 44 pessoas e ferindo 139, de acordo com policiais. Autoridades médicas confirmaram os números de mortos e feridos nos ataques de segunda. Todas as autoridades falaram em condição de anonimato.

Nenhum grupo reivindicou autoria pela onda de ataques, realizada no estilo da franquia da Al-Qaeda no Iraque, conhecida como Estado Islâmico do Iraque.

Forças de segurança fecharam os locais dos ataques, enquanto bombeiros lutavam para extinguir o fogo provocado. 

ONU: Abril foi mês mais sangrento no Iraque desde 2008

Dez anos após invasão americana: Novas ameaças sectárias alarmam Iraque

"Nossa guerra contra o terrorismo continua", disse o porta-voz do Ministério do Interior Saad Maan à AP. "Parte do problema é a luta política e os conflitos regionais...Há deficiências e precisamos desenvolver nossas capacidades principalmente nos esforços de coleta de inteligência."

O ataque desta segunda-feira (30) foi o maior desde o atentado suicida que atingiu um funeral em Sadr City e deixou 104 mortos.

No domingo, uma série de explosões em diferentes partes do Iraque - incluindo dois ataques suicidas na relativa pacífica região curda ao norte - deixou 46 mortos. Mais de 4,5 mil foram mortos desde abril no Iraque.

Com AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.