Acusados por assassinato de soldado em rua de Londres alegam inocência

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Crime ocorrido de dia em rua movimentada chocou Reino Unido; julgamento deve começar em 18 de novembro

Reuters

Dois muçulmanos alegaram inocência nesta sexta-feira (27) das acusações de terem assassinado um soldado britânico em maio. O crime, ocorrido em plena luz do dia em uma movimentada rua de Londres, chocou o Reino Unido e o mundo.

Woolwich: Homem é morto em suposto ataque terrorista ao sul de Londres

Reprodução
Vídeo mostra homem com mãos ensanguentadas e segurando um facão que diz: 'Juramos pelo todo poderoso Alá que nunca vamos parar de lutar contra vocês'

Assista: Em vídeo, suspeito diz que ataque vinga morte de muçulmanos

Família cristã: Um dos suspeitos de ataque em Londres se converteu ao Islã

Lee Rigby, de 25 anos, um veterano da guerra do Afeganistão, foi esfaqueado até a morte próximo a um batalhão do Exército no bairro de Woolwich, sudeste de Londres. Uma autópsia descreveu a causa da morte como "múltiplos ferimentos por perfuração".

Michael Adebolajo, 28 anos, e Michael Adebowale, 22, prestaram depoimento à corte criminal londrina de Old Bailey, nesta sexta-feira, por meio de teleconferência a partir da prisão, e negaram as acusações de assassinato de Rigby, conspiração para assassinar um policial e tentativa de assassinato de policial.

Junho: Segundo homem é acusado por assassinato de soldado em Londres

Cameron após ataque: 'Reino Unido jamais cederá ao terror'

Os dois homens, vestidos com camisetas vermelhas, confirmaram apenas seus nomes, ambos islâmicos - Mujahid Abu Hamza para Adebolajo e Ismail Ibn Abdullah para Adebowale.

O julgamento deles está marcado para começar em 18 de novembro.

Leia tudo sobre: woolwichreino unidolondreslee rigbyataque

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas