Tribunal mantém condenação por crimes de guerra de ex-presidente da Libéria

Por Reuters | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Charles Taylor foi sentenciado a 50 anos de prisão por atrocidades cometidas durante guerra em Serra Leoa

Reuters

AP
Ex-presidente da Libéria, Charles Taylor, espera pelo início de seu julgamento de apelação na Corte Especial para Serra Leoa, em Leidchendam, perto de Haia, Holanda

Juízes de apelação mantiveram nesta quinta-feira (26) a condenação do ex-presidente da Libéria Charles Taylor, reafirmando a sentença de 50 anos de prisão proferida no ano passado por crimes de guerra e crimes contra a humanidade cometidos durante a guerra civil em Serra Leoa.

Maio de 2012: Ex-presidente da Libéria é condenado a 50 anos de prisão

Defesa: Ex-líder da Libéria acusa tribunal em Haia de comprar testemunhas

O juíz à frente do caso, George Gelaga, disse que Taylor aconselhou e encorajou os rebeldes da Frente Unificada Revolucionária e o Conselho de Forças Armadas Revolucionárias mesmo com plena consciência dos tipos de crimes que cometiam.

"O principal propósito deles era disseminar o terror. Violência brutal foi propositalmente liberada contra civis com o propósito de deixá-los com medo, medo de que houvesse mais violência caso continuassem a resistir", disse.

"Governos e a comunidade internacional também ficaram receosos de que a menos que as demandas da FUR e do CFAR fossem atendidas, milhares de homicídios, mutilações, sequestros e estupros de civis continuariam a ocorrer."

Taylor, 65 anos, manteve-se sentado e impassível durante o julgamento, levantando-se ao final para ouvir sua sentença. Ele deve ser transferido de um centro de detenção na costa, onde está desde 2006, para uma prisão britânica de segurança máxima.

No ano passado, juízes o condenaram por 11 acusações de crime contra a humanidade por ajudar e incitar os rebeldes que assassinaram, estupraram e pilharam quem viam pela frente em Serra Leoa, vizinha à Libéria, durante a guerra civil de 11 anos que custou 50 mil vidas até 2002.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas