Na ONU, presidente palestino defende acordo de paz definitivo com Israel

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Abbas pediu para comunidade internacional fazer pressão pelo fim da construção de assentamentos israelenses

AP
O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, faz discurso na 68ª Assembleia Geral das Nações Unidas

O presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, disse na Assembleia Geral da ONU nesta quinta-feira (26) que os palestinos rejeitariam um acordo de paz com Israel que fosse de transição ou interino e que corresse o risco de se "eternizar".

John Kerry: Israel e palestinos 'concordam em intensificar diálogo'

Israel: Soldados matam três palestinos, mas conversas de paz continuam

"Nosso objetivo é atingir um acordo permanente e um tratado de paz entre o Estado da Palestina e Israel que possa resolver todos os problemas pendentes e responder todas as quesões, que nos permita oficialmente declarar o fim do conflito e de acusações", disse.

Falando pela primeira vez em nome do Estado da Palestina, Abbas afirmou que continuará as recém-retomadas negociações com Israel com "insistência para que sejam bem sucedidas" e com objetivo de alcançar um acordo de paz no prazo de nove meses.

14 de agosto: Israel e palestinos iniciam negociações de paz

Acordo: Israel liberta primeiro grupo de presos palestinos

No ano passado, a Assembleia Geral da ONU aprovou uma ascensão do status dos palestinos nas Nações Unidas, de "entidade observadora" a "Estado observador não-membro".

No discurso desta quinta-feira, o presidente também fez um apelo à comunidade internacional para que se mantenha "alerta para condenar e impedir quaisquer ações no território que prejudiquem as negociações". "Eu me refiro aqui, acima de tudo, à continuação da construção de assentamentos em nossa terra palestina, particularmente em Jerusalém".

Infográfico: Saiba os principais fatos do conflito entre Israel e palestinos

Ele destacou a existência de um consenso internacional em relação à "ilegalidade e ilegitimidade" dos assentamentos israelenses em territórios palestinos.

Abbas também afirmou que a nova rodada de negociações, mediada pelos EUA, aparentam ser a última chance para se alcançar uma paz justa. "Apenas pensar nas consequências catastróficas e assustadoras do fracasso devem fazer com que a comunidade internacional intensifique seus esforços para aproveitar essa oportunidade", acrescentou.

Em Washington: Israel e palestinos estabelecem prazo para alcançar acordo

O discurso de Abbas ocorreu dois dias depois de seu encontro com o presidente dos EUA, Barack Obama, às margens da Assembleia Geral da ONU. Ele elogiou Abbas por rejeitar a violência e por ser aberto a negociações. Durante seu discurso na Assembleia Geral da ONU, Obama disse que os avanços tanto na questão israelo-palestina quanto no programa nuclear iraniano teriam "profundo e positivo impacto" em toda a região.

Ontem, o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, já havia afirmado que israelenses e palestinos buscarão um acordo com status definitivo, e não um tratado interino.

Leia tudo sobre: assembleia geral 2013abbasonuisraelpalestinanegociações de pazeua

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas