Grupo de Merkel busca acordo com centro-esquerda e evita Verdes

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Social-democrata parece o mais propenso a fechar acordo após derrota do atual parceiro da coalizão de Merkel

Reuters

Os conservadores da chanceler alemã, Angela Merkel, se encaminhavam nesta terça-feira (23) para conversas com o principal rival da centro-esquerda, depois de pesos-pesados do campo político da primeira-ministra terem descartado a possibilidade de uma união com os ambientalistas do partido Verdes.

Resultados oficiais: Angela Merkel vence eleição na Alemanha

Apesar de vitória nas urnas: Merkel precisa buscar apoio da centro-esquerda

AP
Chanceler alemã, Angela Merkel, cobre seu rosto enquanto conversa com presidente da CSU, Horst Seehofer, em Berlim

Chanceler: Angela Merkel, a 'impiedosa operadora política' da Alemanha

O partido de Merkel, União Democrata-Cristã (CDU), de centro-direita, e sua legenda-irmã da Baviera, a União Social-Cristã (CSU), alcançaram na eleição de domingo seu melhor resultado em mais de duas décadas, mas ficaram cinco cadeiras parlamentares abaixo do necessário para ter a maioria absoluta.

O Partido Social-Democrata (SPD) parece o mais propenso a fechar um acordo com Merkel, depois que o atual parceiro da coalizão de governo, o Democrático-Liberal (FDP), não conseguiu os 5% de votos requeridos para ter representação parlamentar. As outras legendas no novo Bundestag, a Câmara Baixa do Parlamento, serão os Verdes e o radical A Esquerda.

Temas, sistema eleitoral, cenário: Entenda a eleição da Alemanha

Alemanha: Direitos dos homossexuais vira principal tema na campanha

"Eu não manterei tais conversações (com os Verdes). Ponto final", disse o líder do CSU, Horst Seehofer, cujo partido conquistou vitórias esmagadoras na eleição estadual da Baviera, em 15 de setembro, e no pleito nacional, no domingo.

"Só posso dizer que flertar com os Verdes (...) iria fortalecer imediatamente a ala da direita", afirmou ele à revista Der Spiegel.

Ele aludia aos temores de conservadores de que uma guinada do CDU/CSU para a esquerda poderia estimular mais eleitores a se voltarem para partidos mais à direita, como o antieuro Alternativa para a Alemanha (AfD), que por pouco não conseguiu uma cadeira parlamentar na eleição de domingo.

Merkel declarou na segunda-feira que já havia feito contato com a liderança do SPD, mas não afastou a possibilidade de conversas com outros partidos, na busca por um governo estável que conduza a maior economia da Europa nos próximos quatro anos.

A ala mais conservadora do bloco de Merkel não gosta do pacifismo dos Verdes, que defendem grandes aumentos de impostos sobre os ricos. O CDU-CSU governou com o SPD em uma "grande coalizão" relativamente eficaz liderada por Merkel de 2005 a 2009.

Depois de ter sofrido sua segunda pior derrota eleitoral no pós-guerra, o SPD está dividido sobre se deve governar novamente com Merkel. Alguns no SPD dizem que a legenda deveria permanecer na oposição e focar no retorno ao poder em 2017.

Se concordar em se unir a um governo liderado por Merkel, o SPD provavelmente vai pressionar por grandes concessões, tais como um salário mínimo nacional e maiores impostos sobre os ricos. Pode também insistir em obter o cargo de ministro das Finanças, substituindo o atual detentor da pasta, Wolfgang Schaeuble, e outros postos, como o do Trabalho e o de Relações Exteriores.

Leia tudo sobre: eleições na alemanhamerkelalemanhapartidocoalizão

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas