Chanceler entrou em contato com social-democratas após melhor resultado eleitoral em mais de 20 anos

A chanceler alemã, Angela Merkel , enfrenta a perspectiva delicada de persuadir os rivais da centro-esquerda a mantê-la no poder, após seu partido conservador ter obtido o melhor resultado eleitoral em mais de duas décadas, mas sem alcançar a maioria absoluta .

Resultados oficiais: Angela Merkel vence eleição na Alemanha

Chanceler alemã, Angela Merkel, sorri durante coletiva após reunião do seu partido em Berlim
AP
Chanceler alemã, Angela Merkel, sorri durante coletiva após reunião do seu partido em Berlim

Temas, sistema eleitoral, cenário: Entenda a eleição da Alemanha

Alemanha: Direitos dos homossexuais vira principal tema na campanha

Até os adversários políticos reconhecem que a chanceler foi a grande vencedora da primeira eleição alemã desde o início da crise da dívida da zona do euro em 2010, que levou a filha de um pastor da Alemanha Oriental ao papel de principal líder da Europa.

O bloco conservador de Merkel ficou com 41,5% dos votos, o melhor resultado desde 1990 e apenas cinco assentos abaixo de obter maioria absoluta na câmara baixa do Bundestag (Parlamento) pela primeira vez em mais de meio século.

Eleições:
Pesquisa: Coalizão de Merkel e oposição estão em disputa acirrada
Disputa: Partido de Merkel enfrenta teste nas urnas em Estado alemão

Os social-democratas (SPD, na sigla em alemão), com quem Merkel governou em uma "grande coalizão" bem-sucedida em seu primeiro mandato (2005-2009), terminaram em segundo lugar, com 25,7%, pouco acima de seu pior resultado do pós-guerra, ocorrido em 2009.

Os verdes receberam 8,4% dos votos, bem abaixo da votação de 2009. O único outro partido no Bundestag será o radical A Esquerda, que teve 8,6%. O atual parceiro de coalizão de Merkel, o Partido Democrático Liberal, não obteve o mínimo de 5% para ingressar no Parlamento.

Chanceler: Angela Merkel, a 'impiedosa operadora política' da Alemanha

Nesta segunda-feira, Merkel afirmou ter entrado em contato com o SPD sobre a formação de uma possível coalizão após a eleição de domingo, mas não descartou falar com outros possíveis parceiros.

"Nós conservadores temos um mandato claro para formar um governo, e a Alemanha precisa de um governo estável, então vamos cumprir esse mandato", disse. "Nós estamos, é claro, abertos a conversas e eu já tive um contato inicial com o presidente do SPD ( Sigmar Gabriel ), que disse que o SPD precisa primeiro realizar uma reunião de seus líderes, na sexta-feira."

Com Reuters

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.