Para John Kerry, não há dúvidas da responsabilidade de Assad na ação e Conselho de Segurança da ONU deve agir

Reuters

O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, disse nesta quinta-feira (19) que não há dúvidas de que o ataque com gás em 21 de agosto contra os civis nos arredores de Damasco, na Síroa, foi obra das forças de presidente do País, Bashar al-Assad, e não da oposição. "Essa disputa sobre armas químicas da Síria não é um jogo. É real. É importante", acrescentou Kerry.

Presidente sírio diz que será necessário um ano para destruir armas químicas

ONU: Equipe de inspetores de armas químicas planeja retorno à Síria

Aliado: Rússia diz ter recebido provas de que oposição usou armas químicas

A Rússia, que tem poder de veto no Conselho de Segurança, declarou que não há nenhuma prova de que as forças de Assad são responsáveis e denunciou as conclusões de um relatório da ONU que confirmou que o gás sarin foi usado no ataque.

Apesar disso, na opinião de Kerry, é essencial que o acordo russo-americano para erradicar o arsenal de armas químicas da Síria seja executado e que o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas aja na próxima semana.

Análise: Acordo enfraquece EUA ao legitimar Assad e dar vitória à Rússia

Sábado: Acordo entre EUA e Rússia prevê destruir arsenal químico sírio em 2014

"O Conselho de Segurança deve estar preparado para atuar na próxima semana", disse Kerry a repórteres. "É vital que a comunidade internacional se levante e fale nos termos mais fortes possíveis sobre a importância da ação obrigatória para livrar o mundo das armas químicas da Síria."

Veja imagens do conflito sírio desde o início do ano:

Enviados das cinco grandes potências da ONU estão reunidos em Nova York, antes da Assembleia-Geral da organização, na próxima semana, para discutir um plano para colocar as armas químicas da Síria sob controle internacional.

Autoridade da Síria: Acordo entre EUA e Rússia é 'vitória' para Damasco

Obama: 'EUA seguem preparados para agir se diplomacia com Síria fracassar'

A Rússia e os Estados Unidos selaram o acordo na semana passada para evitar possíveis ataques militares norte-americanos. Sob o acordo, o presidente sírio deverá listar e dispor de suas armas químicas dentro de uma semana e destruí-las até meados de 2014.

Kerry também disse que os recentes comentários do presidente do Irã, Hassan Rouhani, que afirmou na véspera que seu governo nunca iria desenvolver armas nucleares, são positivos, mas advertiu que "tudo precisa ser posto à prova".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.