Secretário de Estado dos EUA culpa regime sírio por ataque químico

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Para John Kerry, não há dúvidas da responsabilidade de Assad na ação e Conselho de Segurança da ONU deve agir

Reuters

O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, disse nesta quinta-feira (19) que não há dúvidas de que o ataque com gás em 21 de agosto contra os civis nos arredores de Damasco, na Síroa, foi obra das forças de presidente do País, Bashar al-Assad, e não da oposição. "Essa disputa sobre armas químicas da Síria não é um jogo. É real. É importante", acrescentou Kerry.

Presidente sírio diz que será necessário um ano para destruir armas químicas

ONU: Equipe de inspetores de armas químicas planeja retorno à Síria

Aliado: Rússia diz ter recebido provas de que oposição usou armas químicas

A Rússia, que tem poder de veto no Conselho de Segurança, declarou que não há nenhuma prova de que as forças de Assad são responsáveis e denunciou as conclusões de um relatório da ONU que confirmou que o gás sarin foi usado no ataque.

Apesar disso, na opinião de Kerry, é essencial que o acordo russo-americano para erradicar o arsenal de armas químicas da Síria seja executado e que o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas aja na próxima semana.

Análise: Acordo enfraquece EUA ao legitimar Assad e dar vitória à Rússia

Sábado: Acordo entre EUA e Rússia prevê destruir arsenal químico sírio em 2014

"O Conselho de Segurança deve estar preparado para atuar na próxima semana", disse Kerry a repórteres. "É vital que a comunidade internacional se levante e fale nos termos mais fortes possíveis sobre a importância da ação obrigatória para livrar o mundo das armas químicas da Síria."

Veja imagens do conflito sírio desde o início do ano:

Família síria acena a parentes após entrar em ônibus em direção a aeroporto para ir à Alemanha, onde foram aceitos como asilados temporários, em Beirute, Líbano (10/10). Foto: APTanque velho sírio é cercado por fogo após explosão de morteiros nas Colinas do Golan, território controlado por Israel (16/07). Foto: APCombatentes do Exército Sírio Livre carregam suas armas e se preparam para ofensiva contra forças leais a Assad em Deir al-Zor (12/07). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria corre para buscar proteção perto de aeroporto militar de Nairab, em Aleppo (12/06). Foto: ReutersProtesto em Beirute contra a participação do Hezbollah na guerra síria (09/06). Foto: APFumaça é vista no vilarejo sírio de Quneitra perto da fronteira de Israel´(06/06). Foto: APLibanês foi ferido após segundo foguete de rebeldes sírios atingir sua casa em Hermel (29/05). Foto: APRefugiados sírios são abrigados em prédio da cidade turca de Reyhanli, perto da fronteira com a Síria (12/05). Foto: APHomens carregam ferido após explosão em cidade turca perto da fronteira síria (11/05). Foto: ReutersExplosão em cidade turca perto da fronteira com a Síria deixa dezenas de mortos (11/05). Foto: ReutersResidente caminha sobre destroços de prédios em rua de Deir al-Zor, Síria (09/05). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria descansa em pilha de sacos de areia em campo de refugiados (06/05). Foto: APIsrael atacou instalações militares na área de Damasco, acusa Síria (05/05). Foto: BBCReprodução de vídeo mostra fumaça e fogo no céu sobre Damasco na madrugada deste domingo (05/05). Foto: APPresidente da Síria, Bashar al-Assad (D), visita universidade em Damasco (04/05). Foto: APReprodução de vídeo mostra corpos em Bayda, Síria (03/05). Foto: APBombeiros apagam fogo de carro em chamas em cena de explosão no distrito central de Marjeh, Damasco, Síria (30/04). Foto: APReprodução de vídeo mostra bombardeio em Daraya, Síria (25/04). Foto: APDruso carrega retrato do presidente sírio em que se lê 'Síria, Deus protege você', nas, Colinas do Golan (17/04). Foto: APFumaça e carros destruídos na praça Sabaa Bahrat, em Damasco, após explosão de carro-bomba (08/04). Foto: APMembro de Exército da Libertação da Síria segura arma em rua de Deir al-Zor (02/04). Foto: ReutersReprodução de vídeo mostra militantes do Exército Livre da Síria durante combates em Damasco (25/03). Foto: APManifestantes protestam contra Bashar al-Assad em Aleppo, na Síria (23/03). Foto: ReutersMesa de xeque Mohammad Said Ramadan al-Buti, aliado de Assad, é vista após ataque em Damasco (21/03). Foto: APSírio vítima de suposto ataque químico recebe tratamento em Khan al-Assal, de acordo com agência estatal (19/03). Foto: APSírias são vistos perto de corpos retirados de rio perto de bairro de Aleppo (10/03). Foto: APReprodução de vídeo mostra soldado do governo sírio morto em academia de polícia em Khan al-Asal, Aleppo (03/03). Foto: APHomem chora em local atingido por míssil no bairro de Ard al-Hamra, em Aleppo, Síria (fevereiro). Foto: ReutersMembro do Exército Livre da Síria aponta arma durante supostos confrontos contra forças de Assad em Aleppo (26/02). Foto: ReutersMembros de grupo islâmico seguram armas durante protesto contra regime em Deir el-Zor (25/02). Foto: ReutersMorador escreve em lápide nome de neta morta em ataque contra vila em Idlib, Síria (24/02). Foto: APChamas e fumaça são vistas em local de ataque no centro de Damasco, Síria (21/02). Foto: APRebeldes do Exército Livre da Síria preparam munições perto do aeroporto militar de Menagh, no interior de Aleppo (25/01). Foto: ReutersRebeldes da Frente al-Nusra, afiliada à Al-Qaeda, seguram sua bandeira no topo de helicóptero da Força Aérea da Síria na base de Taftanaz (11/01). Foto: APCrianças sírias viajam em caminhonete em Aleppo (02/01). Foto: Reuters

Enviados das cinco grandes potências da ONU estão reunidos em Nova York, antes da Assembleia-Geral da organização, na próxima semana, para discutir um plano para colocar as armas químicas da Síria sob controle internacional.

Autoridade da Síria: Acordo entre EUA e Rússia é 'vitória' para Damasco

Obama: 'EUA seguem preparados para agir se diplomacia com Síria fracassar'

A Rússia e os Estados Unidos selaram o acordo na semana passada para evitar possíveis ataques militares norte-americanos. Sob o acordo, o presidente sírio deverá listar e dispor de suas armas químicas dentro de uma semana e destruí-las até meados de 2014.

Kerry também disse que os recentes comentários do presidente do Irã, Hassan Rouhani, que afirmou na véspera que seu governo nunca iria desenvolver armas nucleares, são positivos, mas advertiu que "tudo precisa ser posto à prova".

Leia tudo sobre: MUNDOEUAKERRYSIRIAIRAataque químicoarmas químicasmundo árabesíriaprimavera árabeassad

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas