Chanceler argentino diz que anúncio de Dilma é 'mensagem da região para o mundo'

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Presidente do Brasil anunciou que só marcará nova data para a visita de Estado aos EUA, depois que o presidente Barack Obama investigar denúncias de espionagem

Agência Brasil

A decisão da presidenta Dilma Rousseff de adiar a viagem aos Estados Unidos, programada para outubro, "foi uma das mensagens mais importantes da região para o mundo nos últimos anos", disse nesta quinta-feira (19) o chanceler argentino Héctor Timerman, durante encontro com o ministro brasileiro das Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo Machado.

Em outubro: Dilma decide cancelar viagem de chefe de Estado aos EUA

Dilma anunciou terça-feira (17) que só marcará nova data para a visita de Estado aos EUA, depois que o presidente Barack Obama investigar as denúncias de que tanto ela quanto a Petrobras foram alvo de espionagem eletrônica por agências norte-americanas. Em nota oficial, Dilma exigiu do governo americano o compromisso de cessar as atividades de interceptação de correspondência e telefonemas alheios.

Razão: Dilma diz que cancelou viagem aos EUA por 'ausência de apuração'

Segunda-feira: Dilma conversa com Obama por telefone

Após denúncias: Obama diz que trabalhará com Dilma para aliviar tensões

Este é o primeiro encontro bilateral de Timerman e Figueiredo, que assumiu o comando da diplomacia brasileira em agosto, no lugar de Antonio Patriota. Segundo Figueiredo, embora a espionagem cibernética não tenha sido o principal tema da conversa, Timerman elogiou muito a postura adotada pelo governo brasileiro, que resume "o sentimento de toda uma região".

Denúncias:
Após Dilma, Petrobras teria sido alvo de espionagem dos EUA
Presidente Dilma Rousseff foi alvo de espionagem dos EUA

Figueiredo e Timerman trataram também da questão das barreiras comerciais e dos avanços na elaboração de uma proposta, antes do final do ano, para um acordo de livre comércio entre o Mercado Comum do Sul (Mercosul) e a Uniao Europeia (UE).

Leia tudo sobre: Brasilespionagem eua brasilespionagemsnowdeneuaObamaBarack Obama

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas