Após ataque à Marinha, EUA vão revisar regras para prestadores de serviços

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Suposto atirador, Aaron Alexis era um reservista militar de 34 anos com histórico de violência e problemas mentais

Reuters

A Casa Branca afirmou nesta terça-feira (17) que irá rever os requisitos para fornecedores do governo federal depois do massacre de segunda-feira no estaleiro da Marinha em Washington, cometido, segundo autoridades, por um prestador de serviços que tinha autorização para trabalhar lá.

Suspeito de ataque em Washington teria problemas mentais

Polícia: Ataque a prédio da Marinha nos EUA deixa ao menos 13 mortos

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, será informado nesta terça-feira (17) por assessores sobre detalhes do episódio, que deixou 13 mortos, inclusive o suposto atirador, Aaron Alexis, um reservista militar de 34 anos com histórico de violência e problemas mentais.

Obama: Ataque a prédio da Marinha nos EUA foi 'ato covarde'

Testemunhas do ataque: 'Ouvimos os tiros e começamos a correr'

Ele havia recebido autorização de segurança para trabalhar na instalação naval apesar de dois atritos com a lei por causa de armas de fogo e de ter sido dispensado em 2011 da Reserva da Marinha por "questões de má conduta".

Funcionários do prédio da Marinha se emocionam ao encontrar seus familiares após ataque. Foto: ReutersFuncionários receberam água e comida quando saíram do prédio da Marinha. Foto: APFuncionários que estavam no prédio no momento do ataque são levados a um abrigo onde se encontraram com familiares. Foto: ReutersFuncionários da Marinha circulam perto do prédio que sofreu ataque a tiros. Foto: ReutersMoça busca informações de um parente que trabalhava no prédio da Marinha. Foto: ReutersAtiradores de elite da polícia se posicionam em cima do telhado do prédio onde houve um ataque a tiros. Foto: ReutersBarcos da polícia patrulham região próxima ao prédio da Marinha. Foto: APMembros do corpo da Marinha de Washington bloqueiam área próxima ao tiroteio. Foto: ReutersO Sistema de Comando Naval é o maior dos cinco sistemas e recebe 25% de todo o orçamento da Marinha dos EUA. Foto: ReutersPessoas socorrem vítima que estava na base naval em Washington. Foto: APPolícia posiciona equipamento em frente a prédio da Marinha onde atirador abriu fogo em Washington. Foto: APEquipes de emergência respondem à chamada de tiros em um prédio da Marinha em Washington. Foto: APHelicóptero da polícia americana retira homem em cesta de um prédio da Marinha em  Washington. Foto: APPoliciais trabalham em frente a um prédio da Marinha, em Washington, onde foram reportados tiros. Foto: AP

O porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, disse que o Departamento de Gestão e Orçamento (OMB, em inglês) está examinando as questões relativas às autorizações de segurança para prestadores de serviço e funcionários federais. "Por orientação do presidente, o OMB está examinando os padrões para prestadores de serviços e empregados de todas as agências federais."

Leia tudo sobre: MUNDOEUAWASHINGTONMASSACREataque a marinhaMarinhaAaron Alexis

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas