'Ouvimos os tiros e começamos a correr', diz testemunha de ataque em Washington

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Prédio da Marinha foi alvo de ataque que matou 13; testemunhas viram um dos atiradores: 'ele não falou nada'

Patricia Ward, uma gerente de logística da Marinha dos EUA, disse que talvez não terá mais coragem de voltar ao seu local de trabalho. Ela foi uma das testemunhas do ataque a um prédio da Marinha em Washington nesta segunda-feira (16).

Polícia: Ataque a prédio da Marinha nos EUA deixa vários mortos

AP
Helicóptero da polícia americana retira homem em cesta de um prédio da Marinha em Washington

Obama: Ataque a prédio da Marinha nos EUA foi 'ato covarde'

"Foram três tiros diretos - pop, pop, pop. Três segundos depois, foi pop, pop, pop, pop, pop. Foi um total de sete tiros. Nós começamos a correr", relatou Patricia, que estava na cafeteria do prédio do Comando dos Sistemas Navais, onde aconteceu o ataque. "Eu não sei nem se vou conseguir entrar naquele prédio de novo. Eu não me sinto segura."

Nesta segunda-feira, um ataque a tiros em um dos mais antigos da Marinha americana deixou 13 mortos, incluindo um dos supostos atiradores, segundo informaram autoridades. A polícia continua a procurar um segundo possível suspeito de envolvimento no ataque.

Outras três pessoas ficaram feridas, três delas em estado grave, incluindo um policial. De acordo com autoridades federais, o responsável pelo ataque que morreu foi identificado como Aaron Alexis.

Todd Brundidge, outra testemunha, disse que ele e outros colegas de trabalho viram um atirador todo vestido de azul no corredor do terceiro andar. "Ele apenas se virou e começou a atirar", disse Brundidge.

Terrie Durham acrescentou: "ele mirou no alto e errou. Ele não disse nada. Assim que eu percebi que ele estava atirando, nós dissemos: 'Saia do prédio'."

Rick Manson relatou que um atirador estava disparando a partir de um corredor no quarto andar, onde fica a sua sala. Ele disse que o atirador mirava sua arma para baixo, em direção às pessoas que estavam na cafeteria do prédio. Mason disse que conseguia ouvir os tiros, mas não viu o atirador.

Segundo Mason, há várias medidas de segurança para que alguém possa chegar ao andar de seu escritório. 

Veja imagens do ataque a um prédio da Marinha em Washington:

Funcionários do prédio da Marinha se emocionam ao encontrar seus familiares após ataque. Foto: ReutersFuncionários receberam água e comida quando saíram do prédio da Marinha. Foto: APFuncionários que estavam no prédio no momento do ataque são levados a um abrigo onde se encontraram com familiares. Foto: ReutersFuncionários da Marinha circulam perto do prédio que sofreu ataque a tiros. Foto: ReutersMoça busca informações de um parente que trabalhava no prédio da Marinha. Foto: ReutersAtiradores de elite da polícia se posicionam em cima do telhado do prédio onde houve um ataque a tiros. Foto: ReutersBarcos da polícia patrulham região próxima ao prédio da Marinha. Foto: APMembros do corpo da Marinha de Washington bloqueiam área próxima ao tiroteio. Foto: ReutersO Sistema de Comando Naval é o maior dos cinco sistemas e recebe 25% de todo o orçamento da Marinha dos EUA. Foto: ReutersPessoas socorrem vítima que estava na base naval em Washington. Foto: APPolícia posiciona equipamento em frente a prédio da Marinha onde atirador abriu fogo em Washington. Foto: APEquipes de emergência respondem à chamada de tiros em um prédio da Marinha em Washington. Foto: APHelicóptero da polícia americana retira homem em cesta de um prédio da Marinha em  Washington. Foto: APPoliciais trabalham em frente a um prédio da Marinha, em Washington, onde foram reportados tiros. Foto: AP

O comandante da Marinha Tim Jirus contou a CNN que não viu nenhum atirador, mas testemunhou o crime. Ele disse que estava em um beco do lado de fora do prédio para ajudar as pessoas a escapar pelas escadas de incêndio. Um funcionário do prédio se aproximou para afirmar que havia ouvido tiros do lado de dentro.

Então, ele ouviu mais tiros - dois disparos aparentemente a partir de dentro do prédio. O homem qua havia falado com ele caiu no chão com a cabeça sangrando. "Foi aí que eu comecei a correr", disse Jirus. "Eu nunca tinha visto esse homem na minha vida."

Leia tudo sobre: ataque a marinhawashingtoneuatestemunhatiroviolênciamarinha

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas