Tema ganhou relevância após denúncias de que tanto a presidenta Dilma como a Petrobras foram espionadas

Agência Brasil

O Brasil quer cooperar com a Argentina na área defesa cibernética para se proteger de espionagem eletrônica, disse o ministro da Defesa, Celso Amorim, que chegou nesta quinta-feira (12) à capital argentina para uma visita de dois dias. O tema adquiriu especial relevância a partir das denúncias de que tanto a presidenta Dilma Rousseff como a Petrobras foram espionadas pela Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA).

Agência dos EUA quebrou regras de privacidade milhares de vezes, diz jornal

A informação sobre a espionagem foi divulgada pela imprensa com base em documentos sigilosos revelados ao jornalista britânico Glenn Greenwald por Edward Snowden, ex-consultor de informática de uma empresa que prestava serviço à NSA.

Privacidade: Obama propõe supervisão a monitoramento online e telefônico

NYT: Chat criptografado e reunião secreta possibilitaram expor programa

Segundo ministro da Defesa (foto), a defesa cibernética
Agência Brasil
Segundo ministro da Defesa (foto), a defesa cibernética "é a mais importante área de defesa no século 21", mas o Brasil ainda dá "os primeiros passos". Por isso a proposta de aliança

Segundo Amorim, a defesa cibernética "é a mais importante área de defesa no século 21", mas o Brasil ainda está "dando os primeiros passos". Por isso quer discutir, com a Argentina, uma aliança. "Queremos ter uma ação coordenada, conjunta com a Argentina”, disse o ministro. Ele lembrou que a presidenta Dilma - além de cobrar explicações dos Estados Unidos - pediu "interesse redobrado nas questões de defesa”.

Brasil: Leia todas as notícias sobre a espionagem no Brasil

Amorim teve um encontro nesta quinta-feira com a presidenta da Argentina, Cristina Kirchner, a pedido de Dilma Rousseff. Nesta sexta (13), ele vai se reunir com chanceler argentino, Hector Timerman, e o ministro da Defesa, Agustín Rossi.

O comandante do Centro de Defesa Cibernética do Exército, general José Carlos dos Santos, também participará dos encontros. Pelo menos 100 políticos e personalidades da Argentina também foram vítimas de espionagem eletrônica, disse Timerman, na última reunião de presidentes do Mercado Comum do Sul (Mercosul), em julho, no Uruguai.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.