NSA nega que detalhes pessoais de cidadãos americanos tenham sido incluídos nas informações passadas a aliado

Reuters

A Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA, sigla em inglês) passa rotineiramente informações de inteligência a Israel sem antes eliminar detalhes sobre cidadãos americanos, disse o jornal britânico Guardian nesta quinta-feira (12), citando documentos obtidos pelo ex-técnico de inteligência dos EUA Edward Snowden .

TV: Presidente Dilma foi alvo de espionagem dos Estados Unidos

Placa do lado de fora do gabinete da Agência de Segurança Nacional (NSA)
AP
Placa do lado de fora do gabinete da Agência de Segurança Nacional (NSA)

Denúncia: Após Dilma, Petrobras teria sido alvo de espionagem dos EUA

De acordo com um memorando que teve seus termos definidos em março de 2009, a NSA partilha com Israel informações que podem incluir detalhes de telefonemas e emails interceptados de cidadãos dos EUA, sem nenhuma restrição jurídica para o uso desses dados pelos israelenses, segundo o jornal.

De acordo com a reportagem, o fornecimento de dados brutos a outro país contraria as garantias dadas pelo presidente dos EUA , Barack Obama, segundo quem a privacidade de cidadãos comuns seria protegida.

Denúncias pelo vazamento de Snowden:
Brasil: Leia todas as notícias sobre a espionagem no Brasil
Bild: Espionagem alemã usou dados de monitoramento dos EUA
Monitoramento: EUA mantêm ampla base de dados telefônicos
Prism: EUA coletam dados de nove empresas de internet
Jornal: EUA podem usar dados de inteligência sem mandado
Anfitrião: Reino Unido espionou autoridades do G20 em 2009
Guerra cibernética: EUA espionam computadores da China
Diplomatas: Europa exige respostas sobre supostos grampos dos EUA
XKeyscore: Ferramenta permite monitoramento em tempo real

O memorando de cinco páginas salienta que os direitos dos americanos à privacidade deveriam ser respeitados, mas mesmo assim autoriza Israel a receber "inteligência de sinais" (Sigint, na sigla em inglês) bruta, sem passar por um processo de "minimização" para salvaguardar a privacidade.

"A Sigint bruta inclui, mas não se limita a, transcrições não avaliadas e não minimizadas, resumos, fac-símiles, telex, voz e metadados e conteúdos da Rede Digital de Inteligência", diz o memorando citado pelo Guardian.

Jornal: Monitoramento dos EUA abrange 75% do tráfego de internet americano

WPost: Agência dos EUA quebrou regras de privacidade milhares de vezes

O acordo, que permite a Israel reter durante até um ano certos dados que contenham identidades de cidadãos dos EUA, declarava que esse material não seria filtrado de antemão pela NSA, segundo o jornal.

Embora os israelenses concordassem em não visar deliberadamente a americanos que fossem identificados, não havia meio legal de garantir isso.

Privacidade: Obama propõe supervisão a monitoramento online e telefônico

NYT: Chat criptografado e reunião secreta possibilitaram expor programa

Em resposta à reportagem, a NSA divulgou nota negando que detalhes pessoais de cidadãos americanos tenham sido incluídos nos dados entregues a Israel, e declarando que a prática atendia às regras sobre a privacidade, disse o Guardian.

"Sempre que partilhamos informações de inteligência, cumprimos todas as regras aplicáveis, incluindo as regras para proteger informações pessoais dos EUA", disse a agência em nota.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.