Agência dos EUA passa dados brutos de inteligência a Israel, diz jornal

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

NSA nega que detalhes pessoais de cidadãos americanos tenham sido incluídos nas informações passadas a aliado

Reuters

A Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA, sigla em inglês) passa rotineiramente informações de inteligência a Israel sem antes eliminar detalhes sobre cidadãos americanos, disse o jornal britânico Guardian nesta quinta-feira (12), citando documentos obtidos pelo ex-técnico de inteligência dos EUA Edward Snowden.

TV: Presidente Dilma foi alvo de espionagem dos Estados Unidos

AP
Placa do lado de fora do gabinete da Agência de Segurança Nacional (NSA)

Denúncia: Após Dilma, Petrobras teria sido alvo de espionagem dos EUA

De acordo com um memorando que teve seus termos definidos em março de 2009, a NSA partilha com Israel informações que podem incluir detalhes de telefonemas e emails interceptados de cidadãos dos EUA, sem nenhuma restrição jurídica para o uso desses dados pelos israelenses, segundo o jornal.

De acordo com a reportagem, o fornecimento de dados brutos a outro país contraria as garantias dadas pelo presidente dos EUA, Barack Obama, segundo quem a privacidade de cidadãos comuns seria protegida.

Denúncias pelo vazamento de Snowden:
Brasil: Leia todas as notícias sobre a espionagem no Brasil
Bild: Espionagem alemã usou dados de monitoramento dos EUA
Monitoramento: EUA mantêm ampla base de dados telefônicos
Prism: EUA coletam dados de nove empresas de internet
Jornal: EUA podem usar dados de inteligência sem mandado
Anfitrião: Reino Unido espionou autoridades do G20 em 2009
Guerra cibernética: EUA espionam computadores da China
Diplomatas: Europa exige respostas sobre supostos grampos dos EUA
XKeyscore: Ferramenta permite monitoramento em tempo real

O memorando de cinco páginas salienta que os direitos dos americanos à privacidade deveriam ser respeitados, mas mesmo assim autoriza Israel a receber "inteligência de sinais" (Sigint, na sigla em inglês) bruta, sem passar por um processo de "minimização" para salvaguardar a privacidade.

"A Sigint bruta inclui, mas não se limita a, transcrições não avaliadas e não minimizadas, resumos, fac-símiles, telex, voz e metadados e conteúdos da Rede Digital de Inteligência", diz o memorando citado pelo Guardian.

Jornal: Monitoramento dos EUA abrange 75% do tráfego de internet americano

WPost: Agência dos EUA quebrou regras de privacidade milhares de vezes

O acordo, que permite a Israel reter durante até um ano certos dados que contenham identidades de cidadãos dos EUA, declarava que esse material não seria filtrado de antemão pela NSA, segundo o jornal.

Embora os israelenses concordassem em não visar deliberadamente a americanos que fossem identificados, não havia meio legal de garantir isso.

Privacidade: Obama propõe supervisão a monitoramento online e telefônico

NYT: Chat criptografado e reunião secreta possibilitaram expor programa

Em resposta à reportagem, a NSA divulgou nota negando que detalhes pessoais de cidadãos americanos tenham sido incluídos nos dados entregues a Israel, e declarando que a prática atendia às regras sobre a privacidade, disse o Guardian.

"Sempre que partilhamos informações de inteligência, cumprimos todas as regras aplicáveis, incluindo as regras para proteger informações pessoais dos EUA", disse a agência em nota.

Leia tudo sobre: nsaeuaregistros da verizonregistros da internetisraelfisa

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas