Governo sírio bombardeia hospital de campanha e mata ao menos 11 pessoas

Por AP | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Regime de Bashar al-Assad se baseia fortemente em seu poder aéreo para tentar recuperar o controle do território

AP

Aviões de guerra do governo sírio bombardearam nesta quarta-feira (11) um hospital de campanha na cidade de Aleppo, deixando pelo menos 11 mortos de acordo com o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH).

Rússia entrega aos EUA plano sobre armas químicas da Síria, dizem fontes

Tropas de Assad avançam para retomar vilarejo cristão na Síria

Segundo o órgão, dezenas de outros pacientes também ficaram feridos após mísseis atingirem a instalação. Um médico do Iêmen estaria entre os mortos do ataque aéreo de acordo com relatos de ativistas no local.

Reuters
Aleppo, maior cidade da Síria, é controlada por rebeldes

O regime do presidente da Síria, Bashar al-Assad, se baseia fortemente em seu poder aéreo para tentar recuperar o controle do território que perdeu para a oposição. Ele já abateu supostos alvos rebeldes com aviões de guerra e helicópteros especialmente na região Norte do País, onde a oposição controla grandes porções de terra e partes de Aleppo, maior cidade síria.

Em vez de apelo por ação: Discurso de Obama coloca ataque à Síria em espera

Discurso: Obama analisa acordo diplomático, mas reforça razões para ataque

No entanto, a situação de Assad está cada vez mais delicada. Isso porque o governo do presidente dos EUA, Barack Obama, e seus aliados consideram que o ditador foi responsável por um ataque químico realizado contra redutos rebeldes próximos a Damasco em 21 de agosto. Segundo autoridades norte-americanas, o ataque deixou mais de 1,4 mil mortos , incluindo mais de 400 crianças.


compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas