Vice-presidente do Quênia alega inocência em tribunal de Haia

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

É a primeira vez que autoridade comparece a tribunal para julgamento internacional enquanto ainda está no cargo

Reuters

O vice-presidente do Quênia, William Ruto, alegou inocência das acusações de crimes contra a humanidade no Tribunal Penal Internacional (TPI) nesta terça-feira (10), em um julgamento que os quenianos esperam que não volte a estimular a violência política no país.

Indiciado pelo TPI: Kenyatta toma posse como presidente do Quênia

Fevereiro: Acusado de crimes contra a humanidade concorre às eleições

AP
Vice-presidente do Quênia William Ruto conversa com advogado Karim Khan no Tribunal Penal Internacional em Haia

Quênia: Tribunal Penal Internacional ordena julgamento de 'presidenciáveis'

Ruto e Joshua arap Sang, também acusado no mesmo caso, foram indiciados por orquestrarem juntos uma chacina após eleições nacionais há cinco anos, conspirando para assassinar, deportar e perseguir apoiadores do partido político rival na região do Vale do Rift.

"Os crimes pelos quais os senhores Ruto e Sang são acusados não foram somente atos espontâneos e aleatórios de brutalidade", disse Fatou Bensouda, promotor do TPI, ao descrever as acusações perante a corte.

Dezembro de 2012: Confrontos tribais deixam mais de 30 mortos no Quênia

"Este foi um plano de violência cuidadosamente planejado e executado. O objetivo final de Ruto era conquistar poder político para si mesmo e seu partido caso não fosse capaz de consegui-lo através das urnas."

É a primeira vez que uma autoridade comparece diante de tribunal para enfrentar um julgamento internacional enquanto ainda ocupando o cargo.

O presidente do Quênia, Uhuru Kenyatta, antigo inimigo político de Ruto e atual aliado, também vai enfrentar julgamento sob acusações semelhantes de crimes contra a humanidade no início de novembro.

Vitória: Quenianos poderão processar Reino Unido por torturas coloniais

Membros rivais das tribos Kikuyu, de Kenyatta; e Kalenjin, de Ruto, empunharam facões, machetes, arcos e flechas e partiram para uma onda de violência após uma eleição contestada em 2007, deixando 1,2 mil mortos e desalojando centenas de milhares de suas casas.

Este ano, Kenyatta e Ruto enterraram as diferenças e uniram forças para outra eleição, pacífica em comparação com 2007. A chapa chamada Aliança Jubileu foi eleita em março após uma campanha em que seus apoiadores criticaram o TPI por se intrometer em assuntos quenianos.

Leia tudo sobre: quêniatribunal penal internacionaltpihaiawilliam ruto

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas