Senador boliviano prestará depoimento à Justiça brasileira na quinta

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Testemunho de Roger Pinto Molina, que ficou 455 dias na embaixada, faz parte do processo de retirada da Bolívia

Agência Brasil

O senador boliviano de oposição Roger Pinto Molina, 53 anos, prestará depoimento à Justiça do Brasil desde que chegou ao país há duas semanas. O parlamentar será ouvido no próximo dia 12, às 14h30, na 4ª Vara da Justiça, em Brasília.

Molina: Senador boliviano adia ida à Câmara por 'fatores conjunturais'

Abrigo: Senador boliviano é retirado de Brasília para evitar politização do caso

Agência Brasil
Senador boliviano Roger Pinto Molina acena de casa onde estava abrigado em Brasília (26/8)

Caso: Senador boliviano que vivia em embaixada em La Paz está no Brasil

O testemunho de Molina faz parte do processo de retirada da Bolívia, no último dia 22, coordenado pelo encarregado de Negócios do Brasil em La Paz, Eduardo Saboia.

“O senador será ouvido em juízo com vistas a preservar provas que podem ser importantes. A expectativa é que ele (Pinto Molina) ateste a verdade e relate todo o processo vivido”, ressaltou à Agência Brasil o advogado Ophir Cavalcante Junior, que defende o diplomata Eduardo Saboia.

Nota: Defesa só soube de senador boliviano quando ele ingressou no Brasil

Status: Governo avalia opções sobre destino do senador boliviano

Pinto Molina ficou 455 dias abrigado na Embaixada do Brasil na Bolívia. Ele foi retirado da Bolívia rumo ao Brasil em uma operação organizada por Saboia, desencadeando uma crise diplomática. O então chanceler Antonio Patriota foi substituído por Luiz Alberto Figueiredo Machado. Em junho de 2012, o Brasil concedeu asilo diplomático ao senador, mas o governo boliviano não deu o salvo-conduto para ele deixar o país.

Para Dilma: Saída de Patriota foi maneira de amenizar constrangimento

Analistas: Omissão do Brasil acarretou crise em caso de senador boliviano

No Brasil há 15 dias, Pinto Molina é classificado como um “delinquente comum” pelo governo boliviano. O senador nega as acusações relativas a desvios de recursos públicos e corrupção. No total, são mais de 20 processos.

Na semana passada, esteve em Brasília uma missão boliviana de alto nível, formada por três ministros integrantes do Ministério Público, que apresentou documentos ao Ministério da Justiça sobre os processos judiciais envolvendo Pinto Molina.

Paralelamente, Saboia é alvo de investigações de uma comissão de sindicância, formada por dois embaixadores e um auditor da Receita Federal. O grupo apura as responsabilidades do diplomata na retirada de Pinto Molina da Embaixada do Brasil na Bolívia. O ex-encarregado de Negócios é acusado de quebra de hierarquia. A defesa nega.

Leia tudo sobre: roger pinto molinabrasilbolíviala pazevo moralessaboia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas