Dilma cancela viagem de equipe responsável por preparar visita aos EUA

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Funcionários viajariam no sábado; presidente reavalia visita com honras de Estado após denúncia de espionagem

A presidente Dilma Rousseff cancelou o envio a Washington da equipe formada por funcionários da Presidência da República, responsável por preparar a primeira visita com honras de Estado aos EUA.

Em meio a denúncias de espionagem: Embaixador dos EUA deixa Brasil

AP
Presidente Dilma Rousseff chega para encontro no Palácio da Alvorada, em Brasília (2/9)

TV: Presidente Dilma foi alvo de espionagem dos EUA

Uma semana: Dilma dá prazo para EUA explicarem espionagem

A equipe, formada por seguranças, diplomatas e funcionários do cerimonial deveria viajar no sábado (7) e ficar em Washington por cinco dias para preparar a agenda de compromissos e verificar as instalações.

Eles são responsáveis pela organização da logística da viagem, como hospedagem, transporte e rotas seguras que devem ser percorridas pela presidente. Viagens de Dilma ao exterior e internas são todas antecedidas por uma equipe precursora.

Após denúncias de espionagem: Dilma reavalia visita aos EUA em outubro

Análise: Espionagem causa mal-estar, mas não muda relações de EUA e Brasil

Como adiantou o iG, Dilma sinalizou no dia 2 de agosto a possibilidade de cancelar a visita marcada para 23 de outubro após denúncia de que agências americanas teriam espionado dados pessoais da presidente e de seus assessores. 

Antes da visita de Dilma aos EUA, ela participará, em Nova York, no próximo dia 24, da Assembleia Geral das Nações Unidos, como convidada, sem caráter de chefe de Estado.

Congresso: Senado instala CPI da espionagem e pede proteção a jornalista

Presidente da CPI da Espionagem: 'Postura dos EUA é muito grave' 

O último brasileiro recebido com honras de chefe de Estado nos EUA foi o então presidente Fernando Henrique Cardoso, em 1995. A honraria é concedida pelos norte-americanos a raras autoridades, pois envolve uma série de situações relacionadas ao cerimonial.

Pela previsão anterior, Dilma seria recebida na Casa Branca com um tapete vermelho e homenageada com um jantar de gala. Também teria momentos de retribuição às homenagens que receberia, como ao depositar flores no obelisco – monumento em memória aos heróis de guerra.

A data da visita de Dilma foi definida em maio, quando o então ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, foi a Washington e esteve com o secretário de Estado, John Kerry.

Com Agência Brasil

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas