Israel diz ter feito teste de míssil com EUA em meio à crise síria

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Após detecção por radares russos, Ministério da Defesa afirma ter realizado 'teste bem sucedido' no Mediterrâneo

Israel e os EUA realizaram um teste de míssil conjunto no Mediterrâneo nesta terça-feira (3), em uma aparente demonstração de poder militar enquanto o governo de Barack Obama busca apoio do Congresso para lançar uma ofensiva contra o regime do presidente da Síria, Bashar al-Assad.

Análise: Israel vive tensão enquanto EUA planejam ação militar contra a Síria

Dia 21: Oposição síria acusa governo de matar centenas em ataque químico

AP
Foguete é lançado de um novo sistema antimísseis israelense conhecido como Iron Dome para interceptar foguete palestino (21/8)


Saiba mais sobre as armas químicas da Síria: Irã ajudou a produzir arsenal

Não são esperados quaisquer ataques dos EUA em retaliação a um suposto uso de armas químicas pelo regime Assad antes da semana que vem, quando o Congresso americano retorna do recesso de verão.

O Ministério da Defesa israelense afirmou que o teste foi lançado junto ao Departamento de Defesa dos EUA. Um míssil Sparrow foi lançado de forma "bem sucedida" às 9h15 e seguiu sua trajetória planejada. O sistema de defesa antimísseis Arrow detectou com sucesso e perseguiu o alvo, segundo o ministério. Não ficou claro pelo comunicado divulgado se o Sparrow foi derrubado.

Galeria de fotos: Veja imagens do suposto ataque químico na Síria

22 de agosto: Foguetes são disparados contra Israel a partir do sul do Líbano

O Sparrow é um míssil de médio alcance que pode ser lançado tanto da superfície quanto do ar para atingir alvos aéreos. Em Washington, a Casa Branca não fez nenhum comentário até o momento.

O teste de míssil ocorre em um momento de elevadas tensões por causa da crise na Síria. Israel tem demonstrado crescente preocupação com a brutal guerra civil síria, cujos conflitos sectários se espalham pela região. Desde o fim de semana, o governo Obama faz lobby por apoio do Congresso para que se aprove uma ação militar contra o regime de Assad.

Vice-chanceler sírio: Ação militar dos EUA na Síria ajudaria Al-Qaeda

Em carta a Ban Ki-moon: Síria pede que ONU impeça ataque dos EUA

O governo Obama afirma possuir evidências de que as forças de Assad lançaram ataques com armas químicas em subúrbios capturados por rebeldes na capital Damasco em 21 de agosto. Segundo os EUA, o gás nervoso sarin foi usado, deixando ao menos 1.429 mortos, incluindo 426 crianças. O número de mortos apontado pelos EUA é bem maior do que estimativas anteriores que apontavam centenas de mortos.

A inteligência britânica informa que o número de mortos ultrapassaria os 350, número similar aos 355 apontados pelos Médicos Sem Fronteiras, enquanto a França calcula 281 mortos.

Rússia: Evidências sobre ataque químico na Síria 'não são convincentes'

Na semana passada, o presidente Barack Obama parecia decidido a autorizar ataques militares, mas, de forma inesperada, resolveu recuar e buscar primeiramente apoio do Congresso, que volta do recesso na semana que vem.

Na segunda-feira, o governo Obama conseguiu apoio de um relatório da inteligência francesa e, segundo fontes, da agência espiã alemã, para sua constatação de que as forças de Assad foram responsáveis pelos supostos ataques químicos.

TV estatal: Assad diz que Síria é capaz de enfrentar qualquer agressão

Anúncio: Obama buscará voto no Congresso para lançar ataque contra a Síria

Uma síntese de nove páginas publicada pelo governo francês concluiu que o regime lançou ataques envolvendo uso "pesado de agentes químicos" e teria capacidade para lançar ataques similares no futuro.

Veja imagens da guerra na Síria desde o início deste ano:

Família síria acena a parentes após entrar em ônibus em direção a aeroporto para ir à Alemanha, onde foram aceitos como asilados temporários, em Beirute, Líbano (10/10). Foto: APTanque velho sírio é cercado por fogo após explosão de morteiros nas Colinas do Golan, território controlado por Israel (16/07). Foto: APCombatentes do Exército Sírio Livre carregam suas armas e se preparam para ofensiva contra forças leais a Assad em Deir al-Zor (12/07). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria corre para buscar proteção perto de aeroporto militar de Nairab, em Aleppo (12/06). Foto: ReutersProtesto em Beirute contra a participação do Hezbollah na guerra síria (09/06). Foto: APFumaça é vista no vilarejo sírio de Quneitra perto da fronteira de Israel´(06/06). Foto: APLibanês foi ferido após segundo foguete de rebeldes sírios atingir sua casa em Hermel (29/05). Foto: APRefugiados sírios são abrigados em prédio da cidade turca de Reyhanli, perto da fronteira com a Síria (12/05). Foto: APHomens carregam ferido após explosão em cidade turca perto da fronteira síria (11/05). Foto: ReutersExplosão em cidade turca perto da fronteira com a Síria deixa dezenas de mortos (11/05). Foto: ReutersResidente caminha sobre destroços de prédios em rua de Deir al-Zor, Síria (09/05). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria descansa em pilha de sacos de areia em campo de refugiados (06/05). Foto: APIsrael atacou instalações militares na área de Damasco, acusa Síria (05/05). Foto: BBCReprodução de vídeo mostra fumaça e fogo no céu sobre Damasco na madrugada deste domingo (05/05). Foto: APPresidente da Síria, Bashar al-Assad (D), visita universidade em Damasco (04/05). Foto: APReprodução de vídeo mostra corpos em Bayda, Síria (03/05). Foto: APBombeiros apagam fogo de carro em chamas em cena de explosão no distrito central de Marjeh, Damasco, Síria (30/04). Foto: APReprodução de vídeo mostra bombardeio em Daraya, Síria (25/04). Foto: APDruso carrega retrato do presidente sírio em que se lê 'Síria, Deus protege você', nas, Colinas do Golan (17/04). Foto: APFumaça e carros destruídos na praça Sabaa Bahrat, em Damasco, após explosão de carro-bomba (08/04). Foto: APMembro de Exército da Libertação da Síria segura arma em rua de Deir al-Zor (02/04). Foto: ReutersReprodução de vídeo mostra militantes do Exército Livre da Síria durante combates em Damasco (25/03). Foto: APManifestantes protestam contra Bashar al-Assad em Aleppo, na Síria (23/03). Foto: ReutersMesa de xeque Mohammad Said Ramadan al-Buti, aliado de Assad, é vista após ataque em Damasco (21/03). Foto: APSírio vítima de suposto ataque químico recebe tratamento em Khan al-Assal, de acordo com agência estatal (19/03). Foto: APSírias são vistos perto de corpos retirados de rio perto de bairro de Aleppo (10/03). Foto: APReprodução de vídeo mostra soldado do governo sírio morto em academia de polícia em Khan al-Asal, Aleppo (03/03). Foto: APHomem chora em local atingido por míssil no bairro de Ard al-Hamra, em Aleppo, Síria (fevereiro). Foto: ReutersMembro do Exército Livre da Síria aponta arma durante supostos confrontos contra forças de Assad em Aleppo (26/02). Foto: ReutersMembros de grupo islâmico seguram armas durante protesto contra regime em Deir el-Zor (25/02). Foto: ReutersMorador escreve em lápide nome de neta morta em ataque contra vila em Idlib, Síria (24/02). Foto: APChamas e fumaça são vistas em local de ataque no centro de Damasco, Síria (21/02). Foto: APRebeldes do Exército Livre da Síria preparam munições perto do aeroporto militar de Menagh, no interior de Aleppo (25/01). Foto: ReutersRebeldes da Frente al-Nusra, afiliada à Al-Qaeda, seguram sua bandeira no topo de helicóptero da Força Aérea da Síria na base de Taftanaz (11/01). Foto: APCrianças sírias viajam em caminhonete em Aleppo (02/01). Foto: Reuters

Na Alemanha, a revista Der Spiegel afirmou que o Serviço de Inteligência Federal também acredita que o regime Assad estava por trás dos ataques. Em seu site, a revista publicou que o chefe do serviço Gerhard Schindler recentemente falou a autoridades do governo em uma reunião secreta que, enquanto a evidência não foi absolutamente conclusiva, uma "análise de plausibilidade" apoia a ideia de que o governo sírio usou agentes químicos.

Secretário de Estado dos EUA: Provas mostram que Síria usou gás sarin

O regime Assad nega ter usado armas químicas, e responsabiliza rebeldes. Os EUA, a Síria e seus aliados apresentaram até o momento provas conclusivas em público.

Com AP

Leia tudo sobre: israelfogueteataquesíriamundo árabeeuamediterrâneoprimavera árabe

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas