'Coletamos inteligência estrangeira do tipo que coletam todas nações', dizem EUA

Por Clarissa Oliveira - iG Brasília | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Ao iG, Departamento de Estado Americano afirma que vai 'responder por vias diplomáticas’ aos seus aliados e diz 'valorizar cooperação com todos os países'

O governo americano afirmou ao iG na noite desta segunda-feira (2) que "deixa claro que coleta inteligência estrangeira do tipo coletada por todas as nações". A afirmação foi feita pelo Departamento de Estado Americano, em resposta a um pedido de esclarecimentos sobre as denúncias de espionagem de informações trocadas pela presidente Dilma Rousseff.

Uma semana: Dilma dá prazo para EUA explicarem espionagem

Agência Brasil
Dilma Rousseff e novo ministro das Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo Machado, durante cerimônia de posse no Palácio do Planalto

Reação: Dilma reavalia visita aos EUA em outubro após denúncia

"O governo dos Estados Unidos vai responder por vias diplomáticas aos nossos parceiros e aliados. Embora não estejamos dispostos a comentar publicamente todas as supostas atividades de inteligência específicas, como política deixamos claro que os Estados Unidos coletam inteligência estrangeira do tipo coletado por todas as nações", afirma a mensagem do Departamento de Estado.

O breve comunicado é encerrado com a afirmação de que o governo dos EUA "valoriza" a cooperação com aliados. "Valorizamos a nossa cooperação com todos os países em questões de interesse mútuo", diz a mensagem.

TV: Presidente Dilma foi alvo de espionagem dos EUA

Brasil: Leia todas as notícias sobre a espionagem no País

A notícia de que a presidente Dilma e assessores foram alvo de espionagem americana foi revelada no último domingo pelo Fantástico, da TV Globo. As informações foram apuradas em parceria com o jornalista Glenn Greenwald, que teve acesso a documentos vazados por Eduard Snowden, ex-funcionário de uma prestadora de serviços dos EUA.

Visita no dia 13: 'Esperamos que Brasil entenda e aceite', diz Kerry

Dia 14: Brasil pode levar caso de espionagem dos EUA à ONU

O posicionamento do órgão americano ocorre após o governo brasileiro anunciar que fixou um prazo de uma semana para que o governo dos Estados Unidos preste esclarecimentos sobre as denúncias de monitoramento da presidente Dilma. O pedido de explicações foi formalizado pelo chanceler Luiz Alberto Figueiredo Machado, durante reunião com o embaixador americano no Brasil, Thomas Shannon.

Carvalho: Ministro caracteriza denúncia de 'situação de emergência'

Thomas Shannon: Brasil convoca embaixador dos EUA após denúncia

Também nesta segunda-feira, como adiantou o iG, Dilma passou a estudar a possibilidade de suspender ou mesmo cancelar viagem oficial aos Estados Unidos, prevista para outubro. De acordo com auxiliares da presidente, a confirmação da visita como chefe de Estado ao país agora dependerá da resposta do governo americano sobre as novas denúncias.

A expectativa era de que o embaixador americano entrasse em contato com a Casa Branca ainda nesta segunda-feira.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas