Adolescente indiano é condenado a 3 anos de prisão por estupro coletivo

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Jovem tinha 17 anos quando estuprou, juntamente com outros cinco homens, estagiária em ônibus de Nova Délhi

Reuters

Um adolescente indiano foi condenado neste sábado a três anos de detenção em uma instituição para menores por sua participação em dezembro no estupro coletivo de uma estagiária de fisioterapia, o primeiro veredicto de um caso que provocou debate sobre se a Índia é muito complacente com jovens infratores.

Nova Délhi: Estupro coletivo expõe descaso com mulheres

AP
Policiais de Nova Délhi escoltam menor indiano acusado de estupro

Dia 23: Fotojornalista indiana é vítima de estupro coletivo em Mumbai

Segundo a polícia, o jovem de 18 anos e cinco homens adultos estupraram a mulher de 23 anos um ônibus de Nova Délhi, batendo nela e em um amigo dela com uma barra de ferro antes de jogá-los na estrada.

A mulher morreu em um hospital de Cingapura duas semanas depois do ataque de 16 de dezembro. O caso atraiu a atenção do mundo para o tratamento dados às mulheres na Índia, onde a polícia diz que um estupro é relatado a cada 20 minutos.

"O jovem foi considerado culpado pelas acusações de estupro e assassinato e condenado a três anos de prisão", disse Rajesh Tiwari, um advogado do adolescente.

O advogado disse que o jovem seria enviado a um centro de detenção para cumprir a pena, considerando os meses que ele já passou detido desde a sua prisão.

Quatro dos acusados com o adolescente, também réus no caso, ainda estão sendo julgados e podem enfrentar a pena de morte se forem condenados. As alegações finais começaram em 22 de agosto e os veredictos devem ser divulgados na próxima quinzena. Um quinto acusado, o suposto líder do grupo, matou-se em sua cela em março.

Março: Acusado por estupro coletivo que chocou Índia é encontrado morto

O adolescente, cujo nome não pode ser divulgado, foi julgado como menor, já que ele tinha 17 anos na época do ataque. A pena máxima que poderia ter sido imposta pelo Conselho de Justiça Juvenil era de três anos.

Em janeiro, as autoridades determinaram que ele tinha 17 anos, citando registros escolares, o que chocou a família da vítima e outras pessoas que pediam que ele enfrentasse a pena de morte.

"Vocês podem libertar o menor, se a sentença é de apenas três anos para crimes hediondos, como estupro e assassinato", disse a mãe da vítima, que estava aos prantos depois do veredicto.

"Não estou satisfeita com esse julgamento. Pelo menos nesse caso, o jovem deveria ter sido condenado à prisão perpétua", disse o irmão da vítima à Reuters.

Após estupro coletivo: Índia aprova lei mais rígida para abusos contra mulheres

Em resposta ao clamor público depois do estupro, o governo acelerou a criação de leis mais duras contra crimes sexuais, mas resistiu aos apelos para mudar a lei juvenil e de considerar a passar a maioridade legal de 18 para 16 anos.

Leia tudo sobre: índiaestupro coletivonova délhiestupro

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas