Israel vive tensão enquanto EUA planejam ação militar contra a Síria

Por Nahum Sirotsky - colunista em Israel | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Cidades israelenses têm longas filas de interessados em obter máscaras antigás como medida preventiva

Durante vários dias, a mídia internacional mergulhou na especulação de qual seria a ação dos EUA e aliados para punir o presidente sírio, Bashar Al-Assad, pelo suposto uso de armas químicas na sua guerra contra rebeldes que lutam para depor o regime.

Dia 21: Oposição síria acusa governo de matar centenas em ataque químico

Saiba mais sobre as armas químicas da Síria: Irã ajudou a produzir arsenal

AP
Israelense carrega máscaras de gás em centro de distribuição na cidade portuária de Haifa, norte de Israel (29/8)

Galeria de fotos: Veja imagens do suposto ataque químico na Síria

Foram principalmente redes sociais que divulgaram vídeos com o terrível retrato da morte por meio desse tipo de armamento. O movimento midiático provocou certo pânico na população civil israelense, em cujas cidades formaram-se longas filas de interessados em obter máscaras antigás como medida preventiva.

Assista: Vídeos mostram vítimas de suposto ataque químico na Síria

Israel não participa de nenhuma operação contra a Síria, mas as emissoras locais de televisão mostraram o alinhamento de baterias antimísseis, visando a coibir quaisquer ações bélicas, pois o país seria o alvo mais próximo para Assad responder a ataques das forças ocidentais.

A noite de quarta-feira foi de expectativa nervosa por todo Oriente Médio. Nesse dia o presidente Barack Obama afirmou em entrevista que um ataque militar seria um forte aviso ao líder Assad e a outras nações para nunca recorrer a armas químicas.

AP
Reprodução de vídeo mostra fumaça saind de prédios por causa de bombardeio em Daraa, Síria (27/8)

Após rejeição britânica: França apoia EUA sobre ação militar na Síria

Os acordos de Genebra sobre leis de guerra proíbem, especificamente, armas químicas. Mas nada além da advertência foi anunciado na entrevista de Obama. A reação da mídia árabe foi de que os sírios ganharam o primeiro round da batalha com os americanos.

Por meio da observação por satélites, há informações de que a Síria deslocou várias as forças ao redor de sua capital, Damasco, para se defender e retaliar ações estrangeiras.

Entenda: De que lado ficam os países na crise da Síria

Os EUA não podem recuar, pois têm compromisso assumido publicamente de punir Assad, com a necessária cautela de não derrubá-lo. Há um justificado temor do que viria depois, pois poderia ser muito pior do que o atual presidente.

Os diversos grupos rebeldes têm apenas um objetivo comum que é o de atacar Assad. Do ponto de vista ideológico, vão de democratas a extremistas, como a Al-Qaeda.

Imagem fornecida pelo Gabinete de Mídia de Douma mostra sírio ao lado de corpos de vítimas mortas por suposto ataque químico. Foto: APCrianças afetadas por suposto ataque químico respiram com máscaras de oxigênio no subúrbio de Saqba, Damasco. Foto: ReutersSírios tentam identificar corpos depois de suposto ataque químico em Arbeen, subúrbio da Síria. Foto: APMenino que sobreviveu a suposto ataque químico chora em abrigo montado dentro de mesquita no bairro de Duma, Damasco. Foto: ReutersHomem e mulher velam corpos de sírios após suposto ataque com gás venenoso lançado pelas forças do regime de Assad. Foto: APJovem que sobreviveu a suposto ataque químico chora dentro de mesquita em bairro de Duma, Damasco. Foto: ReutersHomem, afetado pelo que ativistas dizem ser gás neurológico, respira com ajuda de máscara de oxigêneo em subúrbio de Damasco. Foto: ReutersImagem fornecida pelo Comitê Local de Arbeen mostra corpos de sírios enfileirados em Arbeen, Damasco. Foto: APSegundo ativistas da oposição, armas químicas teriam matado centenas. Foto: BBCSírios colocam corpos de vítimas de suposto ataque químico em vala comum em Hamoria, área nos subúrbios a leste de Damasco. Foto: Reuters

Secretário da Defesa: EUA estão prontos para lançar ataque contra a Síria

Inicialmente poderia haver uma disputa pelo poder entre os grupos, e a vitória do extremismo faria de Damasco uma capital do terrorismo. Por outro lado, Obama procura evitar a entrada dos EUA em outra “areia movediça”, como ocorreu nos casos de Afeganistão e Iraque.

*Com colaboração de Nelson Burd

Leia tudo sobre: sírianahum sirotskymundo árabeprimavera árabeisraelarmas químicaseuaobama

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas