Soldados israelenses matam três palestinos, mas conversas de paz continuam

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Homens são mortos durante operação de Exército para prender suposto militante na Cisjordânia na madrugada

Reuters

Soldados israelenses mataram a tiros três palestinos durante uma operação na para prender um suposto militante na Cisjordânia na madrugada desta segunda-feira, horas antes de negociadores se reunirem para outra rodada de conversas de paz, disseram fontes palestinas.

Dia 14: Israel e palestinos iniciam negociações de paz

AP
Palestinos choram enquanto esperam procissão funerária em necrotério do principal hospital de Ramallah, Cisjordânia

Nove meses: Israel e palestinos estabelecem prazo para alcançar acordo

2012: ONU reconhece de forma implícita Estado Palestino

As conversas intermediadas pelos EUA foram retomadas no mês passado, depois de uma paralisação de três anos por causa da expansão de assentamentos israelenses na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental, áreas capturadas por Israel em 1967 que os palestinos reivindicam para um Estado juntamente com a Faixa de Gaza.

Nenhuma parte expressou muito otimismo com relação a um importante progresso, e os negociadores se reuniram em segredo, alternando entre locações israelenses e palestinas.

Infográfico: Saiba os principais fatos do conflito entre Israel e palestinos

Testemunhas disseram que jipes blindados israelenses entraram no campo de refugiados Qalandiya, perto de Jerusalém, por volta das 3h (horário local) e foram recebidos a pedradas pelos moradores. As forças israelenses responderam com tiros e deixaram o acampamento assim que o dia raiou, acrescentaram as testemunhas.

Funcionários de um hospital disseram à Reuters que três homens foram mortos a tiros.

Um porta-voz da polícia israelense disse que um confronto começou quando a polícia da fronteira, iniciando uma operação de prisão, foi confrontada por palestinos que atiraram coqueteis molotov e pedras. O incidente estava sendo investigado, disse o porta-voz Micky Rosenfeld.

Sob o acordo: Israel liberta primeiro grupo de presos palestinos

AP
Homens se despedem de parentes mortos por tropas de Israel na Cisjordânia

As forças israelenses prenderam um homem que tinha servido anteriormente uma sentença de nove anos de prisão por suposta atividade militante, disseram os moradores. Cerca de uma dezena de manifestantes ficou ferida no confronto, acrescentaram.

Soldados israelenses frequentemente entram em território controlado por palestinos para deter pessoas suspeitas de planejar ataques, geralmente conduzindo operações durante a noite para atenuar o risco de confronto.

Dia 13: Israel avança com plano de colônias

Milhares de moradores do acampamento lotado levaram os corpos dos três homens enrolados em bandeiras palestinas com suas cabeças envoltas em lenços tradicionais preto e branco, em um cortejo fúnebre que abria seu caminho pelas ruelas estreitas.

Cerca de dez militantes palestinos mascarados dispararam suas armas automáticas para o ar em uma saudação.

Colônias: Israel aprova construção de casas em Jerusalém Oriental e Cisjordânia

Depois do funeral, dezenas de jovens do local atiraram pedras contra soldados israelenses no posto de controle Qalandiya, um importante cruzamento entre a Cisjordânia e Jerusalém, e foram contidos com gás lacrimogêneo e balas de borracha.

Nabil Abu Rdaineh, porta-voz do presidente palestino Mahmud Abbas, descreveu as mortes como "assassinatos".

Leia tudo sobre: israelpalestinoscisjordâniaestado palestino

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas