Agência de Segurança dos EUA gastou milhões com Google, Yahoo e Facebook

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Documentos sigilosos mostrariam que programa de vigilância causaram custos cobertos pelo governo

O jornal "Guardian" recebeu material sigiloso que comprovaria que a agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA) pagou milhões de dólares para cobrir custos judiciais de grandes empresas de internet envolvidas no programa de vigilância Prism.

AP
Snowden teria compartilhado documentos secretos que comprovam custos

Segundo o jornal, as companhias, incluídas Microsoft, Google, Yahoo e Facebook, arcaram com esses custos para atender a novos requisitos de certificação implementados por decisão do Tribunal de Vigilância da Inteligência Estrangeira.

Leia também:
Sob pressão, Agência de Segurança diz que programas são lícitos

A decisão, de 2011, divulgada na quarta-feira pelo governo Obama, constatou que a incapacidade da NSA para distinguir entre comunicações puramente nacionais e tráfego estrangeiro violava a quarta emenda à Constituição, que protege os cidadãos contra buscas e apreensões injustificadas e requer mandados da Justiça para ações desse tipo.

Embora a decisão não envolvesse diretamente o programa Prism, documentos entregues ao "Guardian" por Edward Snowden descrevem os problemas que a decisão criou para a agência e os esforços requeridos para que as operações se enquadrassem ao decidido. O material oferece a primeira indicação do relacionamento financeiro entre as companhias de tecnologia e a NSA.

Um item classificado como altamente sigiloso no boletim de informações da NSA para dezembro de 2012 revela os imensos custos que a decisão acarretou.

A revelação de que dinheiro público foi usado para cobrir os custos das empresas desperta novas questões sobre o relacionamento entre o Vale do Silício e a NSA.

Desde que a existência do programa foi revelada, pelo "Guardian" e pelo "Washington Post", em 6 de junho, as companhias vêm negando repetidamente qualquer conhecimento do assunto e insistiram em que só transmitem dados ao governo em resposta a solicitações legais específicas das autoridades.

Perguntado sobre o reembolso de custos relacionados aos requisitos certificados emitidos pelo tribunal de vigilância, o Facebook disse que "jamais recebeu qualquer remuneração relativa a respostas a solicitações de dados do governo".

O Google negou ter participado do Prism ou de qualquer outro programa de vigilância.

O Yahoo declarou que solicitou reembolso baseado na lei que "requer que o governo reembolse fornecedores por custos incorridos em resposta a procedimentos compulsórios". A Microsoft se recusou a responder.

Leia tudo sobre: snowdenregistros da internetciaespionagem

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas