Soldado Bradley Manning diz que é mulher e pede para ser chamado de Chelsea

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Sentenciado a 35 anos de prisão por vazar documentos para WikiLeaks, soldado pretende fazer terapia hormonal

Bradley Manning planeja viver como uma mulher com o nome Chelsea e quer começar a fazer terapia de hormônio o mais cedo possível, disse o soldado americano nesta quinta-feira (22), um dia depois de ter sido sentenciado a 35 anos de prisão pelo maior vazamento de documentos confidenciais na história dos EUA.

Jean Wyllys: Bradley Manning é um herói. E se fosse Breanna?

35 anos: Soldado dos EUA é sentenciado por vazar documentos ao WikiLeaks

AP
Bradley Manning é escoltado em tribunal em Fort Meade antes de uma audiência preliminar (21/5)

Dia 14: Soldado lamenta ter vazado dados sigilosos dos EUA ao WikiLeaks

Manning anunciou a decisão em comunicado por escrito fornecido a NBC, pedindo aos seus apoiadores para se referirem a ele por seu novo nome e pelo pronome feminino. O comunicado estava com a assinatura: Chelsea E. Manning.

"Enquanto eu faço essa transição para a próxima fase da minha vida, quero que todos conheçam quem eu sou de verdade. Eu sou Chelsea Manning. Eu sou uma mulher. Devido ao jeito que eu me sinto, e que eu me sinto desde a infância, quero começar a terapia hormonal o mais cedo possível."

Julho: Manning é condenado por espionagem, roubo e fraude

O advogado de defesa de Manning David Coombs disse a NBC que espera que as autoridades na prisão militar atendam o pedido de Manning para a terapia hormonal. Se isso não acontecer, "vou fazer tudo o que estiver em meu poder para garantir que eles sejam obrigados a atendê-lo".

O transtorno de identidade de gênero de Manning - a sensação de ser uma mulher presa a um corpo de homem - foi crucial para a defesa. Advogados apresentaram evidênciasda luta de Manning contra o transtorno, incluindo uma foto do soldado com uma peruca loira e batom enviada a um psicólogo.

Lista: Relembre casos de outros delatores dos EUA

Enquanto isso, a luta pela libertação de Manning tomou um novo rumo, com Coombs e seus apoiadores dizendo que pedirão ao Exército por leniência, e à Casa Branca por um perdão, o que é pouco provável que aconteça.

Até mesmo os defensores de Manning estavam confusos. Durante a audiência na quarta-feira, eles vestiam camisetas com a palavra: "Verdade". Horas depois, eles trocaram por outras nas quais liam-se: "Presidente Obama: Perdoe Bradley Manning".

Manning recebeu a punição mais dura na história dos EUA por vazar informação para a imprensa. Apresentando bom comportamento e por ter ficado mais de três anos presos, o soldado pode deixar a prisão em no mínimo sete anos, segundo Coombs.

Promotoria: Soldado que vazou documentos ao WikiLeaks traiu seu país

Manning tem sido chamado tanto de delator quanto traidor por entregar mais de 700 mil documentos militares e diplomáticos confidenciais, além de filmagens de campos de batalha, para o website WikiLeaks.

AP
Em foto sem data fornecida pelo Exército dos EUA, Bradley Manning é visto com peruca e maquiagem. Foto foi enviada à terapeuta sob o título 'Meu problema'

WikiLeaks: Bradley Manning se declara culpado de 'infrações leves'

Coombs disse que vai entrar com um pedido na semana que vem para que o presidente Barack Obama perdoe Manning ou comute sua sentença. Ele leu uma carta que Manning enviará ao presidente na qual diz: "Eu me arrependo se minhas ações feriram alguém ou prejudicaram os EUA. Nunca foi minha intenção prejudicar ninguém."

Manning, o analista de inteligência do Exército, copiou digitalmente e divulgou relatórios sobre batalhas no Iraque e no Afeganistão enquanto trabalhava em 2010 no Iraque. O soldado também vazou um vídeo de um ataque do helicóptero Apache em 2007 em Bagdá que matou por engano ao menos nove pessoas, incluindo um fotógrafo da Reuters.

O governo acusou Manning de traição. O soldado foi condenado no mês passado pelo cometimento de 20 ofensas, incluindo seis violações da Lei de Espionagem, mas foi inocentado da acusação mais séria, auxiliar o inimigo, que pode levar à sentença de prisão perpétua.

Com AP

Leia tudo sobre: manningbradley manningwikileaksigay

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas