Brasileiro detido em Londres diz que foi forçado a revelar senhas de e-mail

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Em entrevista à BBC, David Miranda diz ter se sentido 'nu diante de multidão'; ele cobra também resposta de Dilma

David Miranda, o parceiro brasileiro de um jornalista americano que foi detido em aeroporto de Londres, disse em entrevista à BBC Brasil que foi forçado a revelar suas senhas pessoais de e-mail e redes sociais às autoridades britânicas.

Sigilo de dados apreendidos: Brasileiro retido em Londres entra na Justiça

BBC
Brasileiro David Miranda relata detalhes de sua detenção no aeroporto de Heathrow, Londres

Proteção da segurança: Reino Unido diz que detenção de brasileiro é legal

De acordo com o brasileiro, a polícia britânica disse que ele seria preso caso se recusasse a fornecer as senhas. Miranda afirmou que, ao expor dados pessoais, sentiu como se estivesse "nu diante de uma multidão".

Editor: Governo forçou The Guardian a destruir documentos de Snowden

A polícia britânica se valeu de uma cláusula da lei antiterrorismo para deter Miranda, parceiro do jornalista do Guardian Glenn Greenwald no último domingo. Greenwald publicou reportagens sobre os programas de monitoramento dos EUA e do Reino Unido baseadas em documentos vazados pelo ex-funcionário de uma prestadora de serviços da Agência Nacional de Segurança (NSA, sigla em inglês) dos EUA Edward Snowden.

EUA: Reino Unido avisou que deteria parceiro de jornalista do caso Snowden

Aeroporto de Heathrow: Brasileiro foi interrogado 'sobre reportagens da NSA'

Miranda ficou detido por quase nove horas - o tempo máximo permitido por lei - e teve seus equipamentos eletrônicos confiscados. Miranda, 28 anos, estava viajando ao Brasil após visitar a Alemanha, onde ele se encontrou com Laura Poitras, um cineasta que trabalhou com Greenwald nas reportagens sobre a NSA. Na terça-feira, ele entrou com uma ação na Justiça para garantir o total sigilo de seus materiais e dados apreendidos.

Além de relatar sua detenção, Miranda cobrou uma resposta da presidente Dilma Rousseff. "Eu gostaria de perguntar o que Dilma pensa sobre isso, porque eu não ouvi nenhuma reação dela. Estou esperando por mais respostas. Se houver pressão internacional sob ela, eu quero saber o que ela vai dizer."

Domingo: Parceiro de jornalista que denunciou caso Snowden é detido

Por outro lado, Greenwald elogiou a "indignação" do governo brasileiro diante do episódio. "Acho que o governo brasileiro lidou com a situação de forma maravilhosa", disse o americano à repórter Júlia Carneiro Dias. "Desde o primeiro minuto em que comecei a ligar para autoridades brasileiras para explicar o que havia acontecido com o David, o cidadão deles, eles estavam indignados. Genuinamente indignados, e não apenas fingindo indignação por motivos diplomáticos."

BBC
Glenn Greenwald elogiou 'indignação' de autoridades brasileiras diante do episódio

Denúncias pelo vazamento de Snowden:
Brasil: Leia todas as notícias sobre a espionagem no Brasil
Bild: Espionagem alemã usou dados de monitoramento dos EUA
Monitoramento: EUA mantêm ampla base de dados telefônicos
Prism: EUA coletam dados de nove empresas de internet
Jornal: EUA podem usar dados de inteligência sem mandado
Anfitrião: Reino Unido espionou autoridades do G20 em 2009
Guerra cibernética: EUA espionam computadores da China
Diplomatas: Europa exige respostas sobre supostos grampos dos EUA

O governo brasileiro cobra respostas das autoridades diplomáticas britânicas sobre a detenção de Miranda. Greenwald e o jornal The Guardian acusam as autoridades britânicas de usar a lei antiterrorismo apenas para intimidá-los por investigar escândalos da inteligência. O governo britânico se defende, dizendo que tinha motivos suficientes para deter Miranda, uma vez que ele portava material "sensível" e "roubado".

Greenwald disse que o governo brasileiro foi bastante duro nas suas cobranças, públicas e privadas, em relação ao governo britânico, e que o Brasil já havia se comportado desta forma em episódios passados. "Eu acho que o mesmo aconteceu quando os EUA e seus aliados europeus impediram o avião do (presidente boliviano) Evo Morales de voltar para casa", disse.

"Isso tem todo o ranço de atitude colonialista e imperialista da qual as pessoas no Brasil e na América Latina se ressentem. Isso é um grande componente de como as pessoas reagiram a isso tudo aqui (no Brasil)."

Com BBC

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas