Brasil cobra do Reino Unido devolução de material de brasileiro

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Companheiro de repórter de caso Snowden ficou nove horas detido em aeroporto de Heathrow no domingo

Reuters

O governo brasileiro enviou uma comunicação formal à chancelaria do Reino Unido cobrando a devolução de materiais eletrônicos do brasileiro David Miranda, apreendidos por autoridades britânicas quando ele foi detido no aeroporto de Heathrow no domingo, afirmou o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, nesta quarta-feira.

Detido em Londres: Brasileiro diz que foi forçado a revelar senhas de email

Reuters
Jornalista americano Glenn Greenwald (E) caminha com seu parceiro David Miranda no Aeroporto Internacional do Rio (19/8)

Sigilo de dados apreendidos: Brasileiro retido em Londres entra na Justiça

No domingo, Miranda passou nove horas detido ao fazer uma conexão em Londres, teve aparelhos eletrônicos confiscados e foi interrogado sobre as atividades jornalísticas do seu companheiro, o norte-americano Glenn Greenwald, correspondente do jornal The Guardian no Rio de Janeiro.

"Estamos também trabalhando para que o material de posse do cidadão brasileiro David Miranda seja restituído dentro do mais breve prazo. Foi nesse sentido que foi transmitida oficialmente uma comunicação ao governo britânico", afirmou Patriota durante coletiva conjunta com o ministro dos Negócios Estrangeiros da República do Níger, Mohamed Bazoum.

Segurança Nacional: Reino Unido diz que detenção de brasileiro é legal

Desde junho, Greenwald publica informações vazadas pelo norte-americano Edward Snowden, ex-funcionário de uma prestadora de serviços da Agência Nacional de Segurança (NSA, na sigla em inglês), procurado pelas autoridades de seu país por ter vazado dados confidenciais. Snowden recebeu asilo na Rússia por um ano.

O jornalista utilizou entre 15 mil e 20 mil documentos repassados por Snowden para revelar detalhes sobre os métodos de monitoramento da NSA.

Confirmação: Premiê britânico sabia de plano de deter parceiro de jornalista

EUA: Reino Unido avisou que deteria parceiro de jornalista do caso Snowden

Autoridades britânicas valeram-se de lei antiterrorismo, que confere a agentes da imigração o direito de interrogar alguém "para determinar se aquele indivíduo está envolvido na ordem, preparação ou execução de atos de terrorismo", para deter o brasileiro no domingo.

Patriota disse que conversou com o chanceler britânico, William Hague, sobre a detenção do brasileiro e manifestou que esse tipo de atitude é muito contraproducente "até mesmo para o alegado objetivo, que é o do combate ao terrorismo".

Pressão britânica sobre a mídia:
- Chefe de gabinete de premiê britânico pressionou jornal por caso Snowden
- Governo forçou The Guardian a destruir documentos de Snowden

"Acho que não contribui para uma ação internacional coordenada e eficaz e também lembrei que no Brasil há um compromisso muito forte com os direitos civis, as liberdades individuais e que o Reino Unido não deve subestimar esse compromisso", disse o ministro.

Patriota, que na segunda afirmou não ser justificável essa retenção com base na lei que se aplica a suspeitos de envolvimento com terrorismo, disse que aguarda informações sobre o incidente.

Denúncias pelo vazamento de Snowden:
WSJ: Monitoramento dos EUA abrange 75% do tráfego de internet americano

Brasil: Leia todas as notícias sobre a espionagem no Brasil
Bild: Espionagem alemã usou dados de monitoramento dos EUA
Monitoramento: EUA mantêm ampla base de dados telefônicos
Prism: EUA coletam dados de nove empresas de internet
Jornal: EUA podem usar dados de inteligência sem mandado
Anfitrião: Reino Unido espionou autoridades do G20 em 2009
Guerra cibernética: EUA espionam computadores da China
Diplomatas: Europa exige respostas sobre supostos grampos dos EUA
XKeyscore: Ferramenta permite monitoramento em tempo real
WPost: Agência dos EUA quebrou regras de privacidade milhares de vezes

"Espero a resposta à comunicação formal enviada por nós", disse Patriota no Palácio Itamaraty. "As manifestações que precisavam ser feitas foram feitas em um nível elevado e com linguagem muito firme."

Em nota no domingo, o Itamaraty afirmou que a medida foi "injustificável por envolver indivíduo contra quem não pesam quaisquer acusações que possam legitimar o uso de referida legislação".

Miranda anunciou quarta que entrou com um processo contra a polícia e o governo britânicos, acusando-os de abuso de poder no combate ao terrorismo para se apropriarem de material jornalístico sensível.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas