Coreia do Norte aceita proposta para retomar reuniões familiares

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Oferta da Coreia do Sul de reunir familiares separados pela guerra alivia tensões entre dois países vizinhos

Reuters

AP
O sul-coreano Yoo Hack-ki, 85 anos, se inscreve em programa da Cruz Vermelha para rever seus parentes na Coreia do Norte, na sexta (16)

A Coreia do Norte informou neste domingo (18) que aceitou a oferta da Coréia do Sul para negociar a retomada de encontros de famílias separadas pela guerra, três dias depois de uma abertura feita pela presidente sul-coreana, Park Geun-hye .

A decisão da reclusa Coreia do Norte vem para aliviar as tensões entre os países do Norte e do Sul, ainda tecnicamente em guerra após o conflito civil entre 1950 e 1953, que terminou em uma simples trégua, não em tratado.

Os dois lados concordaram na semana passada em reabrir um complexo industrial em conjunto dentro do Norte, que foi abruptamente fechado em abril, no auge das tensões, com ameaças de ataque nuclear do Norte sobre o Sul e os Estados Unidos.

Segredo: Informações sobre Coreia do Norte e seu líder continuam fora do alcance dos EUA

O Comitê do Norte para a Reunificação Pacífica da Coreia informou em comunicado divulgado pela agência de notícias KCNA neste domingo que os dois lados devem trabalhar juntos para retomar as reuniões familiares.

Pyongyang e Seul vão organizar os detalhes do evento, incluindo as datas e local na sexta-feira, acrescentou o comunicado.

Leia tudo sobre: coreia do sulcoreia do norteguerrafamílias

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas