Oposição do Zimbábue desiste de contestar vitória de Mugabe na Justiça

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Partido MDC diz ser impossível ter audiência judicial justa sem documentos pedidos à Comissão Eleitoral do país

O opositor Movimento pela Mudança Democrática (MDC, na sigla em inglês), do Zimbábue, anunciou nesta sexta-feira a retirada de uma ação judicial contra contestados resultados eleitorais que deram ao presidente de longa data Robert Mugabe uma ampla vitória, afirmando não acreditar que conseguiria uma audiência justa.

Presidente: Mugabe diz que críticos de sua reeleição 'podem ir se matar'

Reuters
O premiê Tsvangirai durante coletiva no dia 3. Ele afirma que eleição foi conduzida de forma 'fraudulenta'

Dia 9: Oposição do Zimbábue contesta resultado de eleição presidencial

Em meio a críticas: Mugabe é reeleito no Zimbábue pela sétima vez

O partido disse em um documento apresentado à Corte Constitucional que não participará de uma audiência prevista para o sábado e pediu que os noves juízes da corte sejam informados sobre a desistência. O primeiro-ministro em fim de mandato Morgan Tsvangirai é um líder do grupo opositor.

No fim da noite de sexta, o MDC não recebeu outra decisão judicial sobre sua reivindicação para que fosse divulgado material eleitoral crucial pela Comissão Eleitoral. O partido acredita que o material o ajudaria a corroborar alegações de que até 1 milhão de eleitores foram impedidos de votar e que cédulas foram depositadas com os nomes de mortos.

Tsvangirai: Adversário de Mugabe denuncia fraude nas eleições do Zimbábue

Comissão: Partido de Mugabe vence eleição no Parlamento

Nelson Chamisa, o quarto na linha de comando do partido, disse à Associated Press que era impossível prosseguir com a audiência de sábado sem uma completa informação e as provas que pediu às autoridades eleitorais.

Aval: Missão africana aprova eleição, mas pede investigação de denúncias

O advogado Chris Mhike disse que, mesmo que uma decisão de última hora forçasse o órgão a divulgar o material, não haveria tempo para uma análise dos dados. Para Chamisa, sem as provas, é provável que sua queixa seria descartada, minando a posição da oposição. "Nos recusamos a dar legitimidade a Mugabe por meio da justiça", disse.

*Com AP

Leia tudo sobre: zimbábuetsvangiraimugabeeleição no zimbábue

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas