Hezbollah: Conheça a história do movimento xiita libanês

Por Luciana Alvarez - especial para o iG |

compartilhe

Tamanho do texto

Grupo apoiado por Irã e Síria surgiu contra ocupação de Israel no Líbano e cresceu graças à ação política e social

O Hezbollah, palavra que significa “Partido de Deus”, surgiu como uma resposta à invasão e à ocupação do Líbano em 1982 por Israel, que lançou sua ofensiva militar para expulsar militantes palestinos que operavam no sul libanês. O Hezbollah foi criado por um grupo de clérigos muçulmanos xiitas radicais, com ajuda da Guarda Revolucionária do Irã, no Vale do Bekaa, na fronteira com o outro patrocinador do movimento, o governo sírio. Os xiitas eram o grupo social mais pobre e marginalizado do Líbano de então.

Julho: UE declara braço militar do Hezbollah como grupo terrorista

AP
Soldados britânicos ajudam em operações de resgate em local de ataque contra centro de comando de marines dos EUA perto do aeroporto de Beirute, Líbano (23/10/1983)

Fevereiro: Bulgária vincula Hezbollah a ataque contra ônibus com israelenses

Nos anos iniciais, as principais táticas do grupo foram ataques suicidas, assassinatos e sequestros. Em 1983, um suicida em um caminhão-bomba em Beirute matou 241 marines (fuzileiros navais) americanos que faziam parte de uma força de paz enviada ao Líbano por sua guerra civil. A retirada das tropas americanas da cidade alguns meses depois, em 1984, foi vista como a primeira grande “vitória” do Hezbollah.

Em 1985, o movimento divulgou seu manifesto de fundação. Entre outras itens, o grupo prometia lealdade ao líder supremo do Irã, o então aiatolá Khomeini, reivindicava o estabelecimento de um regime islâmico no multirreligioso Líbano e queria a expulsão dos EUA, da França e de Israel do território do país, assim como a destruição do Estado judeu.

“A ideia primária em nossa luta contra Israel é que a entidade sionista é agressiva desde sua criação, pois foi construída em terras tomadas de seus proprietários, às custas do direito do povo muçulmano. Portanto, nossa luta só vai acabar quando a entidade for completamente destruída. Não reconhecemos nenhum tratado de paz, nenhum cessar-fogo”, diz um trecho do texto. Mais tarde, a defesa de um regime islâmico foi abandonada em favor de uma abordagem mais abrangente.

Originalmente um pequeno grupo guerrilheiro, o Hezbollah conseguiu expandir sua base de apoio ao aliar trabalhos sociais e atuação política ao discurso contra Israel e o Ocidente. Também ganhou reputação em todo o Oriente Médio por sua capacidade sem precedentes de enfrentar com sucesso as tropas do Estado judeu e aliados.

Nahum Sirotsky: Conflito sírio aumenta tensão de Israel com o libanês Hezbollah

AP
Libanesa segura bandeira do Hezbollah durante marcha em Tyre para marcar o 6º aniversário da retirada de Israel do sul do Líbano depois de 18 anos de ocupação (25/5/2006)

Depois de Israel ter assassinato o líder do Hezbollah, Abbas al-Mussawi, em 1992, Hassan Nasrallah assumiu o comando do movimento. Capitalizando a crescente simpatia entre os libaneses, Nasrallah decidiu que o grupo entraria nas eleições gerais do país naquele ano. O Hezbollah conseguiu oito cadeiras no Parlamento, o que deu legitimidade à sua luta e métodos.

Mesmo tendo um braço na política oficial, o movimento manteve sua campanha de ataques a soldados israelenses. Em 2000, quando Israel decidiu se retirar do sul do Líbano, o grupo capitalizou mais uma grande vitória e sua popularidade cresceu mais ainda.

Apesar da retirada israelense, o Hezbollah continuou periodicamente lançando mísseis contra o território de seu inimigo. Em 2006, o confronto esporádico se transformou em uma nova guerra contra Israel, que resultou na morte de mais de 1 mil civis libaneses.

Se os EUA e Israel veem o Hezbollah como um grupo terrorista e uma ameaça à estabilidade regional, o movimento se descreve como uma força de oposição a Israel e ao envolvimento do Ocidente no Oriente Médio. Para além do braço armado, são as diversas ações sociais que promove em favor dos xiitas que faz com que muitos o qualifiquem como “um Estado dentro do Estado”.

AFP
Imagens do líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, e do mapa do Líbano são vendidas em loja em Dahyeh, no sul de Beirute (foto de arquivo)

“O grupo combina as funções de milícia com uma rede de serviço sociais e de provedor de trabalho”, afirma o cientista político Augustus Richard Norton em seu livro "Hezbollah: A Short History" (Hezhollah: Uma Breve História, em tradução livre). “Os esforços de reconstrução do Hezbollah depois da guerra de 2006 foram considerados melhores do que a resposta do governo americano à destruição provocada pelo furacão Katrina (2005)”, segundo o texto.

Cenário: Hezbollah posiciona Líbano na defesa de Assad na Síria

Ainda é incerto, contudo, se o grupo vai conseguir manter sua força e identidade frente aos novos desafios surgidos com a instabilidade na Síria. Nasrallah prometeu publicamente empenhar seus esforços para a sobrevivência do regime do presidente sírio, Bashar al-Assad.

NYT: Hezbollah assume riscos ao combater rebeldes sírios em defesa de Assad

“A decisão de mandar forças para a Síria marca uma importante mudança no Hezbollah, ao deixar o sul do Líbano potencialmente exposto a Israel. A medida deixou muitos xiitas libaneses preocupados que o Hezbollah esteja mais comprometido com suas alianças com o Irã e a Síria de Assad do que com o seu país”, afirmou o pesquisador do Oriente Médio Robert Danin, em uma análise para o Council on Foreing Relations.

Leia tudo sobre: hezbollahisraeloriente médioirãsírialíbano

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas